05.04.2019  /  8:29

Elizabeth II não proibiu Meghan Markle de usar as joias da coroa. Ao menos não todas… Entenda!

Elizabeth II e Meghan Markle || Créditos: Wikimedia Commons

Parece que a notícia de que a rainha Elizabeth II proibiu Meghan Markle de usar as joias da coroa britânica, que deu o que falar nessa semana, não passou de conto da carochinha. De acordo com o tablóide “The Sun”, o que de fato se passou nos bastidores palacianos do Reino Unido foi que a monarca achou por bem restringir o acesso da ex-atriz aos brilhantes e afins reais que no passado foram usados pela princesa Diana, morta em 1997, por um motivo estritamente “técnico”. É que a mãe dos príncipes William e Harry, esse último o marido da duquesa de Sussex, foi a última detentora do título de Princesa de Gales, dado exclusivamente para as mulheres dos herdeiros do trono, que no momento é o príncipe Charles (mulher dele, Camilla Parker-Bowles preferiu não receber a honraria para evitar comparações com a falecida).

Mas tudo indica que a próxima Princesa de Gales será Kate Middleton, que é casada com William, e nesse caso a chefe da Casa Real de Windsor entendeu que as joias da coleção oficial que já foram usadas por Lady Di, e que por esse motivo ficaram fortemente associadas a ela, devem ser compartilhadas apenas com a duquesa de Cambridge, por uma questão de hierarquia.

Meghan, no entanto, continuará tendo acesso às joias da coroa, que incluem alguns dos diamantes mais famosos do mundo e têm um valor total estimado entre £ 3 bilhões (R$ 15,2 bilhões) e £ 5 bilhões (R$ 25,2 bilhões). É bom lembrar que esse tesouro não faz parte do patrimônio pessoal de Elizabeth II, já que se trata de um bem público, mas a soberana é quem define quem pode ou não usar todo o bling guardado a sete chaves na Torre de Londres. Eventualmente, essa responsabilidade será de William que, muito provavelmente, vai dividir o poder de veto com Kate, como aconteceu com vários outros reis e rainhas consortes no passado. Daí quem sabe ela empresta uma outra coisinha a mais pra cunhada… (Por Anderson Antunes)