07.09.2020  /  12:16

Elizabeth II era obcecada por organização e teve até TOC na infância, de acordo com novo livro

Marion Crawford, a “Crawfie”, com as princesas Elizabeth e Margaret || Créditos: Reprodução

Intitulado “The Governess” (“A Governanta”) e lançado no fim do mês passado no Reino Unido, o novo livro da correspondente real britânica Wendy Holden traz algumas revelações a respeito da rainha Elizabeth II. Baseada em escritos de Marion Crawford, que durante décadas trabalhou como governanta no Palácio de Buckingham quando a monarca ainda era apenas uma princesinha, a biografia classificada como histórica por especialistas teve um de seus trechos em que a autora trata de um suposto transtorno vivido por ela na infância publicados pelo “The Sun” no último fim de semana.

De acordo com Holden, que tem vários best-sellers no currículo, a atual chefe da Casa Real de Windsor sofria de TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) quando era criança, algo que se manifestava principalmente quando a então Sua Alteza Real tinha aulas particulares em casa. “A pequena princesa Elizabeth era obcecada por organização e fazia questão de manter seus lápis sempre alinhados sobre a mesa, o que por vezes fazia até com um certo nervosismo”, escreveu a jornalista, que teve acesso aos arquivos pessoais de Crawford nos quais consta o relato.

Autora do clássico “The Little Princesses” (“As Princesinhas”), aquele que, muito antes de “Finding Freedom…”, foi considerado um dos primeiros livros bombásticos sobre os Windsors – lançado em 1950, tratava da rotina de Elizabeth e de sua falecida irmã, a princesa Margaret – Crawford certa vez teria questionado a rainha em espera sobre o hábito. A resposta dela? “Faço isso porque assim me sinto segura”, respondeu a primogênita do rei George VI. “Segura sobre o quê?”, devolveu Crawford, que nesse caso jamais ouviu uma resposta.

Morta em 1988, Crawford (que era chamada de “Crawfie” por Margaret) foi uma das funcionárias reais que mais tiveram contato com Elizabeth II em toda sua vida. Quando se aposentou, pouco antes da publicação de suas memórias, George VI e a rainha-mãe Elizabeth até lhe concederam o título de Dama do Império Britânico, mas a forçaram a abrir mão da honraria tão logo a obra chegou nas prateleiras das livrarias do Reino Unido. Banida das cortes reais para sempre, a polêmica ex-governanta jamais teve seu nome pronunciado por qualquer outro membro da família real de lá. (Por Anderson Antunes)

A capa do novo livro de Wendy Holden || Créditos: Reprodução