08.10.2018  /  15:22

Dira Paes, mãe de homens feitos na TV: “Fazendo as contas dá e sobra”

Dira Paes || Créditos: Reprodução/ Instagram

O filho mais novo de Dira Paes não tem nem 3 aninhos. E o primogênito está com 10 anos. No entanto, em “Verão 90”, próxima novela das 7 da Globo, dirigida por Jorge Fernando, a atriz será mãe de dois barbados: Jesuíta Barbosa, em sua estreia em novelas, e Rafael Vitti. “Fazendo as contas dá e sobra”, entrega Dira, de 49 anos. Mas não parece… “Obrigada, carinho seu”.

“Vai ser um verão incrível”

Sobre os filhos da ficção… “São lindos de viver. Lindos não só de beleza física, mas de juventude, dos artistas que são. São especiais, talentosíssimos. Jorginho Fernando [o diretor da trama] disse o quanto está feliz com essa química que se estabeleceu entre nós. Estou já me projetando com esses filhos lindos. Vai ser um verão incrível. Já começamos a gravar a década de 80 [quando começa a história]. Estou muito orgulhosa desse trabalho que nem começou ainda”.

“Vai dar uma nostalgia…”

Por quê já tanto entusiasmo? “É que o Jorginho, diretor de 36 novelas, falar pra mim ‘quero você’… Isso já dá uma segurança e uma vontade de fazer um trabalho incrível. A trama é impressionantemente boa. Lendo os capítulos, não dá vontade de parar. Vai ser a primeira novela do Jesuíta Barbosa [que será um vilão], e junto com o Rafa Vitti ele está fazendo um papel bem maduro… A relação dos dois irmãos é bem complexa. Fora isso, a gente vai estar homenageando os anos 90, então, pra quem viveu, vai dar uma nostalgia… E para as crianças que são filhas de pais dos anos 90 também vai ser o maior barato”.

“O Brasil é feito de mães guerreiras”

E quem é Janaína, personagem de Dira? “Ela é uma viúva que cria os dois filhos, e eles têm um embate entre si. Ela administra isso tendo que tocar a vida pra frente, sustentar. É uma mulher guerreira, e a gente sabe que o Brasil é feito de mães guerreiras. Ela vai se redescobrir. Junto com a busca dos filhos, terá a busca dela mesma. Os filhos, inquietos, provocam nela uma coisa linda que é se resgatar como mulher também. A gente está muito feliz, se esmerando nas composições”.

“Jorginho está firme e forte, um gato malhado”

Sobre a volta de Jorginho ao trabalho depois do AVC que sofreu em janeiro de 2017… “Jorginho está firme e forte, criativo, nos incentivando. É uma cinturinha! Um gato malhado! A gente brinca… ‘Ué, tem certeza que você teve o que teve?’ Isso porque ele está ótimo. E ele dirige de uma maneira cirúrgica. Com uma palavra, consegue te dar um entendimento da cena… Como quando ele pede, no final do take: ‘Respira’. E tudo dá certo”.

Dira Paes || Créditos: Reprodução/ Instagram

“A gente não pode declarar nosso amor publicamente”

Dira também falou sobre a saia justa com Fernanda Gentil. É que a atriz cortou a jornalista de uma foto na qual as duas apareciam ao lado de Ivete Sangalo. Dira postou apenas seu rosto e o da cantora, deixando Fernanda fora do enquadramento. E a internet não perdoa, né? Foram vários os comentários de haters. Muita gente a chamou de “deselegante” e “mal educada” e teve quem falasse em preconceito. Na sequência, Fernanda postou a mesma foto, só que cortando Dira, e fazendo piada com a situação.

Com a palavra, Dira: “A gente não pode declarar nosso amor publicamente, então fizemos aquela brincadeira. Temos que brincar, a vida é curta. Isso é uma bobagem, foi uma brincadeira. Na próxima estaremos agarradinhas e vão falar que estamos namorando”.

“Precisamos de um incentivo”

Por fim, a atriz fez apelos em nome do cinema nacional. “São tantas demandas… Precisamos de um incentivo na distribuição, na produção… A gente tem uma representatividade mundo afora muito intensa. É um mercado que existe e que é forte. Somos guerreiros, nosso cinema é centenário. Nossas atrizes já ganharam os maiores prêmios internacionais. Mas precisamos de produções mostrando a diversidade dos temas, dos estados, das linguagens, e a distribuição tem que chegar a todo o país. Temos que ter muito orgulho do nosso cinema, que é do tamanho do Brasil. Vocês sabem o que os Estados Unidos fizeram com o cinema… Conquistaram o mundo. O Brasil pode chegar lá”. (por Michelle Licory)