13.07.2020  /  11:02

Descoberta de que Johnny Depp perdeu mais de R$ 4 bi do dia pra noite teria levado Amber Heard a agredi-lo

Depp e Heard deixam o tribunal de Londres onde corre a ação || Créditos: Reprodução

De acordo com Johnny Depp, um dos motivos que levaram Amber Heard a agredi-lo fisicamente quando os dois eram casados teria sido a descoberta, feita pela atriz, de que o eterno galã perdeu US$ 750 milhões (R$ 4,03 bilhões). Em depoimento no processo que corre atualmente na Corte Superior de Londres, e no qual acusa a ex de calúnia e difamação, o astro de “Piratas do Caribe” contou que levou “um soco muito forte” de Heard quando ela ficou sabendo do senhor prejuízo.

“É constrangedor ter que falar nisso”, Depp disse, antes de citar as cifras milionárias, quando depôs na semana passada na ação judicial que está sendo tratada como o julgamento do ano pela imprensa internacional. “Aparentemente, eu ganhei US$ 650 milhões [R$ 3,49 bilhões] desde o segundo capítulo de ‘Piratas…’, mas perdi tudo isso e devo outros US$ 100 milhões [R$ 536,9 milhões] porque meus agentes ficaram 17 anos sem pagar meus impostos”, o hollywoodiano explicou.

Segundo Depp, ele ficou sabendo da gravidade de sua situação financeira em abril de 2016, e momentos antes de ir para uma festa de aniversário de Heard, com quem foi casado entre 2015 e 2017. Na ocasião, o clima entre eles já não era um dos melhores, e ambos teriam fumado bastante maconha na party. Mas a agressão só teria ocorrido quando os dois foram pra casa e estavam se preparando para ir dormir. Portanto, não há testemunhas para confirmar tal versão dos fatos.

Questionado em juízo se o episódio violento foi um fato isolado no casamento deles, Depp respondeu negativamente e ainda afirmou que vivia sendo agredido pela estrela de “Aquaman”. Sobre suas finanças, o ator de 57 anos também está processando seus ex-agentes e contadores, a quem culpa pela perda gigantesca de patrimônio. Os acusados, no entanto, garantem que o próprio Depp cavou o próprio buraco com seus gastos “abusadamente desenfreados”, nas palavras deles. (Por Anderson Antunes)