04.03.2018  /  9:00

De refrigerantes a colar de diamantes: sacola de “mimos” do Oscar vale US$ 100 mil

Itens exclusivos para indicados e apresentadores da grande noite do cinema || Créditos: Getty Images

Uma estatueta de ouro da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood não é o único item desejado pelos indicados ao Oscar deste ano. Assim como os apresentadores da próxima edição da premiação, que acontece neste domingo, eles deverão voltar pra casa ao menos com uma sacolinha recheada de presentes cujo valor total ultrapassa os seis dígitos – e isso em dólares, claro -, caso não se consagrem vencedores nas respectivas categorias em que concorrem.

E não é de pouca coisa que estamos falando, já que entre os itens distribuídos “na faixa” há desde alguns tipos de refrigerantes mexicanos até estadias generosas em hotéis hypados de lugares como a Tanzânia, o Havaí e a Grécia. Tudo é organizado pela empresa Distinctive Assets, de Los Angeles, especializada no assunto e qu batizou o pacotão de mimos deste ano, avaliado em US$ 100 mil (R$ 325,8 mil), como “Everybody Wins” (“Todo Mundo Ganha”).

Além das sodas mexicanas e das viagens, também são destaque na sacola um “chiclete dental” que serve para rejuvenescer os dentes, sessões privativas com um personal trainer, colar de diamantes extraídos conforme as mais rigorosas regras internacionais (nada de “Diamante de Sangue”, portanto), uma sessão de tratamento de pele
com ouro de 24 quilates, laranjas californianas (!), e até um ticket para uma terapia de 18 minutos capaz de aliviar qualquer tipo de fobia.

Vale frisar que os astros e estrelas presenteados com tudo isso precisam pagar imposto sobre tudo que receberam, em razão do alto valor envolvido. Nesse caso, a boa notícia é que eles poderão pleitear um desconto com o fisco americano uma vez que aceitem doar a quantia de US$ 10 mil (R$ 32,6 mil), junto com pacotes de comida para pets da melhor qualidade, para um abrigo de animais domésticos abandonados de LA. E não é que todo mundo sai ganhando mesmo? (Por Anderson Antunes)