11.04.2021  /  9:00

David Hockney foi morar na França para de se proteger da Covid-19, e resultado foi um mergulho no trabalho

O chalet do artista na Normandia, desenhado por ele mesmo
O chalet do artista na Normandia, desenhado por ele mesmo || Créditos: Reprodução

Foi por sugestão de seu assistente de longa data Jean-Pierre Gonçalves de Lima, também conhecido como JP, que David Hockney viajou, cerca de três anos atrás, para a região da Normandia da França, para curtir um tempo em off no pitoresco destino europeu. E o artista britânico cuja assinatura está entre as mais valiosas do mundo gostou tanto do que viu que acabou comprando um chalé por lá, que passou meses sendo reformado até que ficou pronto em março do ano passado.

Àquela altura, a pandemia de Covid-19 já era um problema global, e Hockey, que até então vivia em Londres e hoje está com 83 anos, achou que seria uma boa ideia se mudar definitivamente para seu endereço em terras francesas, o que acabou fazendo para ter onde se proteger melhor do novo coronavírus.

Talvez inspirado pelos novos arredores, o autor do icônico “Portrait of an Artist (Pool with Two Figures)” – vendido em 2018 em leilão realizado pela Christie’s por US$ 90,3 milhões (R$ 511 milhões) – mergulhou no trabalho, o que o levou a passar mais tempo desenhando, inclusive em seu iPad, do que descansando.

E agora algumas dessas criações em tempos de ócio dele serão expostas pela prestigiada galeria de artes Louver, que fica em Los Angeles. São 16 obras, sendo que uma delas retrata o chalé normândico de Hockney, que fica no vilarejo de Beuvron-en-Auge. “É uma visão mais do que interessante e super charmosa de um gênio que está perto de concluir a carreira”, definiu Peter Goulds, diretor do Louver, sobre a mostra batizada “Minha Normadia” que abre em 1º de maio. (Por Anderson Antunes)

Hockney fazendo o que mais gosta: trabalhando
Hockney fazendo o que mais gosta: trabalhando || Créditos: Reprodução