20.10.2018  /  9:00

Danton Mello, “velho, sedentário e diabético”, mas a sensação do “Dança dos Famosos”!

Danton Mello || Créditos: Divulgação

Quem diria que Danton Mello, 43 anos, mandaria tão bem na “Dança dos Famosos”, do “Domingão do Faustão”, como tem feito? Nem ele acreditava que tinha tanta ginga. Nesta semana e na outra ele está de folga – é que ficou de fora da repescagem do quadro, já que está variando entre o primeiro e o segundo lugar na disputa.

Danton está amando, e por pouco não optou por ficar de fora da experiência. “Confesso que quando chegou o convite eu pensei em não aceitar porque tinha planejado descansar, viajar com a minha mulher e passar um tempo com as minhas filhas, que moram nos Estados Unidos, entre os meses de agosto e setembro, mas minha mulher me incentivou, dizendo que eu cresceria como artista.” Dito e feito. “Tenho uma boa consciência corporal por ser ator, mas estou velho, sedentário e diabético, e dançar até então era só em festas, não esperava que eu fosse dançar tão bem. Tem jovens muito mais saudáveis do que eu ali.”

Danton Mello e Brennda Martins, seu par na Dança dos Famosos, do “Domingão do Faustão” || Crédito: TvGlobo\Joaquim Costa

Onde ele vai, os elogios se rasgam. “Todo mundo está muito impressionado como estou dançando bem!”, e nós também. Mas isso é resultado de muito suor. “Sou muito dedicado, nos ensaios só paro para beber água”, conta ele sobre a rotina de 10 horas semanais – 2h por dia, cinco vezes por semana. A melhor parte é que ele não descarta a possibilidade de atuar pela primeira vez em um musical, passada a experiência como pé de valsa.

Como criança em primeiro dia de aula, Danton não esconde o quanto sofre a cada “Domingão”. “Fico muito nervoso porque, diferente de teatro, no qual o espetáculo apresentado é o mesmo a cada sessão, o que permite que o domínio melhore, no quadro é uma coreografia diferente a cada domingo. Às vésperas eu não durmo bem e fico extremamente nervoso. Meu nervosismo fica estampado na minha cara, mas quando começa a dança eu uso meu lado ator para não transparecer que por dentro estou explodindo. Tenho muito em mim um pensamento de que não é uma competição, só espero ficar bastante tempo no programa. Ainda tenho que passar pelo sapateado – meu sonho!”Assista aqui uma de suas apresentações, acompanhado de Brennda Martins.

TELINHAS
A partir desta segunda-feira, até fevereiro de 2019, o ator estará no ar na sexta e última temporada de “Tá no Ar: a TV na TV”, programa de humor da Globo. Um humor crítico em pleno momento pós-eleições, o que deve garantir boas surpresas. Danton se limitou a dizer que elas serão ótimas, para não dar spoiler, e comentou a decisão de encerrá-lo. “[Marcius] Melhem não quer desgastar, não quer que o programa vire mais um na grade, quer deixar as pessoas com saudade. Acho interessante esse pensamento dele.” Emotivo por ter gravado a reta final, falou: “Esse programa realmente vai ficar na memória dos telespectadores.”

Danton Mello em “Tá no Ar: a TV na TV” || Créditos: Divulgação

Por ora Danton não está escalado para nenhuma novela, mas se prepara para iniciar as gravações da série “Hebe”, prevista para estrear em 2020. Serão 10 episódios que contarão de forma mais ampla que no filme, que será lançado em 2019, a história da apresentadora. Assim como no longa, em que ele também participa, o ator vai viver Claudio Pessutti, o sobrinho e agente de Hebe. “Claudio é um sobrinho muito próximo de Hebe, tido como um filho, como o Marcelo, e um certo momento ela falou: ‘você cuida de mim, seja meu empresário’. Até hoje é ele quem cuida do espolio dela. Infelizmente ainda não o conheci pessoalmente, mas em breve pretendo fazer isso.”

Danton Mello caracterizado como Claudio Pessuti, sobrinho e empresário de Hebe, no ste do filme sobre a apresentadora || Créditos: Reprodução Instagram

A versão jovem de Hebe será representada por Valentina Herszage e a madura por Andrea Beltrão, como no filme. O que mais se falou nos bastidores das filmagens do longa, que já chegaram ao fim, Danton entrega: a falta que Hebe faz em um momento como esse, por sua liberdade de expressão em falar sobre política.” Abaixo, post que Carolina Kotscho, diretora do longa, conecta a fala de Hebe no filme com o momento atual do país.

View this post on Instagram

Você pode odiar toda a classe política e o que eles fizeram com o Brasil. Mas até o seu direito de odiar e expressar a sua opinião está em risco quando a democracia está em risco. Se você é a favor da lei e da ordem, você também é a favor da Constituição e dos direitos individuais. Se você é a favor da família, você defende o amor incondicional e você não concorda que os 30 milhões de lares desse país que são liderados por mulheres podem ser chamados de fábrica de desajustados. Se você defende o crescimento da economia, você pode até não confiar na Globo, na Veja ou na Folha de São Paulo, mas você concorda com o New York Times e com a The Economist que a eleição de Bolsonaro seria nefasta para o futuro do Brasil. Se você sabe que o que diferencia os humanos dos outros animais é a capacidade de pensar e criar, você não defende que intelectuais, jornalistas e artistas sejam agredidos e exterminados por ser quem são, fazer o que fazem e dizer o que pensam. Não é mais uma questão política e ideológica. É uma questão de princípio. É uma questão de caráter. Se você defende o que é certo, você também concorda que ele não pode nos representar. Ele não. #elenão #democraciasim

A post shared by Carolina Kotscho (@carolinakotscho) on

TELONAS

Danton Mello em “Arigó”, na pele do médium José Pedro de Freitas || Créditos: Divulgação

Danton Mello chega aos cinemas três vezes em 2019. Além de “Hebe”, ele estreia na pele do médium José Pedro de Freitas em “Arrigó” e na voz do cachorro Max na continuação da animação “Pets – A Vida Secreta dos Bichos” – um sucesso de bilheteria. Como dublador, ofício que adora, Danton chegou a ser a voz oficial de Leonardo DiCaprio no Brasil. Dublou quatro filmes com ele, incluindo “Titanic”, e só parou por aí por conflito de agenda. “Queria muito ter conseguido, sou muito fã dele”, falou. (Por Julia Moura)