16.09.2020  /  16:10

Danton Mello revela como se sentiu nos bastidores de ‘Hebe’: ‘O Cláudio amando a tia era o Danton encantado de estar com Andrea Beltrão”

Danton Mello e Andrea Beltrão nos bastidores da série ‘Hebe’ // Divulgação Globo

Cláudio Pessuti, sobrinho de Hebe Camargo, desempenhou papel importante na vida da apresentadora: amigo, empresário, era praticamente um filho. Em ‘Hebe’, o personagem é interpretado por Danton Mello, que teve a oportunidade de conversar com o próprio Cláudio antes de começar a gravar a série. “O Cláudio era apaixonado pela Hebe. Um cara que ficou ao lado dela ajudando sempre. Não à toa ele se transformou no empresário e braço-direito dela”, descreve. O último episódio da série vai ao ar nessa terça-feira, dia que marca oito anos da morte da apresentadora.

Mas nem todos gostaram do que está sendo mostrado na TV. O único filho de Hebe, Marcello, garante que não consegue assistir a atração porque muito do que aparece na telinha não condiz com a realidade. “Eu nem assisto. Minha mãe não era como aparece na série. Não ficava bebendo nos bastidores, nem falava aquele monte de palavrão. Um absurdo!”, reclamou ele em entrevista ao programa ‘A Tarde é Sua’. Por outro lado, Danton conta como foi dividir cena com a atriz Andrea Beltrão e fala sobre a chance de apresentar ao público detalhes da personalidade e vida particular de Hebe que poucos conheciam.

Como foi sua preparação para viver Cláudio Pessutti, sobrinho de Hebe?
Eu vi alguns vídeos, falei com o Cláudio por telefone. Mas eu trouxe uma coisa minha para o personagem: a admiração, o respeito e o amor que tenho pela Andrea Beltrão. A Andrea é uma das maiores atrizes desse país. Em cena, o Cláudio encantado e amando a tia era o Danton também encantado, feliz e honrado de estar ao lado da Andrea.

Fale um pouco sobre a relação que Cláudio tinha com a tia.
Ele era apaixonado pela Hebe. Um cara que ficou ao lado dela ajudando sempre. Não à toa ele se transformou no empresário e braço direito dela. Eles tinham uma relação muito bonita, quase de mãe e filho. Ele estava sempre junto com ela. É bonito de ver essa relação.

Como você definiria a Hebe?
É difícil definir a Hebe. É uma mulher que eu acho que faz muita falta hoje, que não tinha medo, que era visionária. Ela viveu e passou por muita coisa, e estamos tendo a honra de poder contar para o público essa história.

Para você, qual a importância de contar a história de Hebe na TV aberta?
O público conhecia a apresentadora Hebe e agora está tendo a oportunidade de conhecer a história dela, ver o que ela passou, de onde ela veio. Ela é uma grande artista, que era muito assistida pelo público em seu programa semanal, mas poucos conheciam as tristezas e as alegrias dela.