16.05.2018  /  11:38

Danton Mello fala de entrada surpresa em “Deus Salve o Rei” e personagens profundos no cinema

Danton Mello || Créditos: Reprodução Instagram

Ele acaba de entrar em circuito nacional com o longa “Antes que eu me esqueça”, ao lado de José de Abreu, e também de cair de paraquedas em “Deus Salve o Rei” como peça importante na mudança de elenco da trama da Globo, que tem como objetivo alavancar a audiência da novela. Lotado de bons personagens, Danton Mello entrega ao Glamurama o seu lado íntimo e revela as emoções de viver, em curto espaço de tempo, papéis tão profundos. (Ele acaba de encerrar também as gravações de “Arigó”, no qual vive o médium José Pedro de Freitas e contracena com Juliana Paes).

José de Abreu e Danton Mello em cena de “Antes que eu me Esqueça” || Creditos: Divulgação/Patrick O’Malley

Filme: “Antes que eu me Esqueça”

Glamurama: O que espera da repercussão de “Antes que eu me Esqueça” no cinema?
Danton Mello:
“Espero algo bem positivo, que o público curta bastante até por que é um filme que fala sobre relacionamento, família e amor. Vamos atingir todas as idades, mas principalmente os jovens. O tema principal é a relação entre pai e filho, então espero que as pessoas curtam e entendam a importância da família e que toque o coração de cada pessoa que for assistir.”

Glamurama: O que representou pra você fazer o longa?
Danton Mello:
“Eu fiquei muito tocado com o roteiro. Fiz a primeira leitura dentro do avião indo visitar minhas filhas, que moram fora do Brasil. Confesso que tive uma crise de choro, pois a história foca em um assunto que valorizo muito, que é a família. Sou muito apegado aos meus pais e, apesar da distância das meninas, continuo muito próximo delas e quero ser exemplo do quanto é importante a família unida e que isso é a base de tudo. Fiquei muito feliz em fazer esse personagem.”

Glamurama: Conte-nos um pouco sobre seu personagem no filme “Antes que eu me Esqueça”?
Danton Mello:
“Meu personagem é o Paulo, um jovem pianista frustrado por não ter conseguido atingir seu objetivo de vida, que era o desejo de entrar numa grande filarmônica e fazer parte de uma grande orquestra. É um homem que tem a vida muito sofrida e difícil por se sentir excluído, abandonado. Perdeu a mãe cedo e teve rupturas na relação com seu pai. No desenrolar do filme, eles terminam se reencontrado e proporcionando um desfecho muito bonito.”

Glamurama: É um filme que pode mudar a relação entre pais e filhos, além da ficção?
Danton Mello:
“Sim. Já exibimos nosso longa em alguns festivais como o Festival de Santa Barbara, na Califórnia, e em Lisboa. Foi muito bonito ver a reação do público, principalmente dos americanos. Foram três sessões lotadas e uma extra. No final as pessoas vinham até nossa equipe emocionadas, contando histórias, que não falavam com o pai ou com filho já há algum tempo e que saíram do filme ligando para eles. Isso foi muito bonito de ver. E o que eu espero é que toque todo mundo que for ao cinema e que valorizem realmente a relação da família como o todo.”

Novela: “Deus Salve o Rei”

Glamurama: Como pintou o convite?
Danton Mello: “Surgiu quando eu estava em Minas Gerais terminando de rodar o filme sobre o ‘Arigó’ – faltando uns cinco ou seis dias. Recebi a ligação do diretor geral da novela, Luciano Sabino. Na hora fiquei surpreso, mas feliz até por que não esperava entrar em uma novela agora, estava imerso no filme.”

Glamurama: Quando e qual efeito terá a entrada de seu personagem na trama? Conte-nos um pouco sobre ele.
Danton Mello: “Entro na semana que vem. É um personagem muito importante na transformação do reino e que está no núcleo central da novela. Ele chama Gregório e será o novo conselheiro do Rei Afonso (Romulo Estrela). Na trama, ele é um cara local que já tem um envolvimento com os reis. O pai de Gregório foi conselheiro da avó de Afonso e Rodolfo. Um homem bastante estudioso, leal ao rei, mas terá uma paixão platônica pela Amália (Marina Ruy Barbosa), que será a futura rainha.”

Filme: “Arigó”

Glamurama: Como foi viver o médium José Pedro de Freitas no cinema?
Danton Mello: “Foi muito emocionante (muito mesmo!). Depois que aceitei o convite fui estudar a história dele, que foi uma pessoa iluminada, abriu mão da sua vida para ajudar o próximo, além das dificuldades e questionamentos. O fato não só de aceitar essa missão, mas como passar a vida inteira com o peso de não poder curar o filho mais velho, que sofre até hoje. E isso deve ter sido muito duro pra ele: ter ajudado milhares de pessoas e não poder curar o próprio filho.”

Danton Mello e Juliana Paes caracterizados durante as gravações de Arigó || Créditos: Reprodução Instagram

Glamurama: Durante a preparação e filmagens do longa aconteceu algo especial?
Danton Mello:
“Um dos momentos especiais foi quando gravamos uma sequência no período em que o Arigó esteve preso. No dia que a gente foi rodar essa cena uma das figurantes estava bastante emocionada. Ela tinha sido operada pelo Dr. Fritz (médico alemão que Arigó incorporava).”

Glamurama: Você se considera espiritual? Se conectou de alguma forma com o médium?
Danton Mello: “Confesso que fiquei bastante mexido com o filme. O espiritismo é algo que me intrigava bastante e agora vivendo esse personagem tão intensamente (onde me entreguei de corpo e alma), me reaproximei da espiritualidade, além dos momentos de busca, de entender mais a vida e as religiões.”

Programa: “Tá no Ar”

Glamurama: Fazer parte do time do “Tá no Ar” diminuiu sua timidez? Você se tornou mais piadista? 
Danton Mello: “Eu continuo tímido (risos), sou reservado, mas quando temos um bom texto de comédia ou de drama fica fácil contar uma história, o que importa é ter um bom texto, boa direção e bons colegas e o ‘Tá no Ar’ tem muito disso, o que fica ainda mais fácil e leve. Há quinze anos comecei a fazer comédia no teatro, depois fui para o cinema e por último a televisão, mas não me considero comediante (essa é uma tecla que eu sempre bato). Sou um ator, artista, que anda por todos os gêneros. Fico feliz demais em fazer o público rir, seja no teatro, cinema ou na televisão.”

Glamurama: Tem algum tipo de personagem que ainda gostaria de fazer? 
Danton Mello: “Falo que sempre quero fazer o próximo (risos), mas gosto de fazer personagens que me toquem e o público, e que seja interessante no geral, entende? Mas não tenho um personagem específico.”

Glamurama: Você e Selton Mello se falam muito? Pedem muitas opiniões um para o outro?
Danton Mello: “Sim, nos falamos bastante. Não só eu e meu irmão, mas com os nossos pais também, somos uma família muito unida. Trocamos muitas ideias, conversamos muito, não só sobre trabalho, mas sobre a vida também. Companheirismo que também passo para as minhas filhas.” (Por Julia Moura)