30.01.2017  /  14:29

Da música tema de filme dos anos 80 à bolsa de valores: o boom de Dieter Meier

Cena de 'Curtindo a Vida Adoidado', e Dieter Meier || Créditos: Getty Images
Cena de ‘Curtindo a Vida Adoidado’, e Dieter Meier || Créditos: Getty Images

Já ouviu falar de Dieter Meier? A maioria das pessoas certamente vai responder que não, mas basta dizer que ele é o autor da música “Oh Yeah”, tema de “Curtindo a Vida Adoidado”, pra saber que se trata de alguém que fez história em Hollywood. Mas embora tenha emplacado uma de suas músicas em uma das produções que marcaram época nos anos 1980, a verdade é que Dieter não teve nenhum outro grande hit em sua carreira, e talvez isso tenha acontecido por escolha dele.

Glamurama explica: hoje com 71 anos, o músico suíço usou a maior parte dos royalties que ganhou com “Oh Yeah” desde a estreia do filme estrelado por Matthew Broderick, em 1986, para investir na bolsa, principalmente em empresas dos setores de transporte ferroviário e finanças. Trinta um anos após sua primeira compra de ação, ele construiu um portfólio de US$ 175 milhões (R$ 546,7 milhões), segundo um levantamento feito na última sexta-feira pelo “The Wall Street Journal”.

Graças ao sucesso que teve no mercado de capitais, Dieter abandonou a música e se dedicou em tempo integral aos pregões. Hoje morando em Zurique, ainda investe em objetos de arte e em terras, e possui uma fazenda de 2,2 mil hectares na Argentina, em uma cidade nas proximidades de Buenos Aires. Dono também da voz que aparece no lendário hit, o músico e investidor licenciou a canção para outras produções de sucesso ao longo dos anos, como “O Segredo do Meu Sucesso”, com Michael J. Fox, e a franquia “K-9”, protagonizada por James Belushi.

Na TV, “Oh Yeah” apareceu em “Glee”, “South Park”, “Os Simpsons” e em vários comerciais, inclusive em um filminho da Honda veiculado no Super Bowl de 2012 e inspirado no personagem de Broderick em “Curtindo a Vida…”, Ferris Bueller. E olha que quando escreveu a letra de “Oh Yeah”, Dieter considerou o trabalho meia boca. “Achei que me faltou inspiração”, ele disse ao “Journal”. (Por Anderson Antunes)