Iza
Foto: Divulgação/ @caduandradee

Rainha de bateria da Imperatriz, Iza fala sobre importância do título: “Resgatar cultura que é negra e ancestral”

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0

Rainha de bateria da Imperatriz Leopoldinense desde 2019, Iza estreou na avenida em 2020 e deu o que falar pelo samba no pé e carisma contagiantes. Logo depois, veio a pandemia, decretando o fim das aglomerações e, por consequência, da folia carnavalesca nos próximos anos. Corta para abril de 2022: um verdadeiro carnaval fora de época está prestes a acontecer. Mais do que pronta para seu tão aguardado retorno, a cantora, que desfila nesta sexta-feira (22), não esconde o frio na barriga.

Em entrevista exclusiva ao GLMRM, Iza brincou ao comentar sobre como está sua preparação: “Tento não entrar muito na pira da malhação e nem da alimentação. Acho que a melhor coisa é trabalhar bem o cardio. Afinal, é mais de uma hora sambando sem parar. Meus shows são o meu exercício, acredito que não exista nada melhor para me preparar do que cantar e dançar ao mesmo tempo. Isso faz a gente trabalhar a respiração de um jeito diferente. E terapia, né? É a única coisa que segura a gente [risos]”.

A artista, que acaba de assinar sua primeira coleção de esmaltes com a Risqué – são seis tons que celebram seus seis anos de carreira e exaltam suas raízes -, ainda comentou sobre a pesquisa realizada pela Alma Preta Jornalismo que apurou que, neste ano, mulheres brancas são maioria entre as rainhas de bateria das escolas de samba do Grupo Especial, em São Paulo e no Rio de Janeiro.

“A gente vê pela TV e acha tudo muito bonito, mas não sabemos o quanto a galera dá duro até pisarmos lá dentro. Acho que se isso não fizesse sentido para mim, eu não me sentiria confortável de estar lá, porque aquilo é a vida deles, tudo o que mais importa no mundo para aquela comunidade. É resgatar essa cultura que é negra, ancestral, faz parte da história do nosso país e é uma das coisas mais ricas que temos”, afirmou Iza, lembrando da sua história de longa data com a Imperatriz, que inclusive virou nome para um dos esmaltes.

“Fico muito feliz de saber que eles me escolheram para estar à frente da bateria. Não faria parte de outra escola, não faria sentido para mim, porque eu realmente sou de Olaria, de Ramos. Estudava atrás da Imperatriz e morava a algumas ruas de distância. Já fui muito para lá escondida da minha mãe. Sou realizada em saber que meu casamento com eles faz sentido para os dois lados” contou.

Você também pode gostar