“Medida Provisória”: 4 motivos para assistir o filme de Lázaro Ramos que mistura humor, drama e thriller

17 Compartilhamentos
17
0
0
0
0

Um ano depois de entrar com o pedido de autorização na Agência Nacional do Cinema (Ancine), e enfrentar problemas com a análise da agência reguladora para a liberação do longa, “Medida Provisória” ganhou na semana passada a data de estreia em circuito nacional: 14 de abril. Mas, o que esperar do filme que marca a estreia de Lazaro Ramos na direção cinematográfica com uma trama que mistura humor, drama e thriller? GLMRM listou 4 motivos que valem a ida ao cinema. Ticket na mão.

O mundo viu e aprovou

Rodado em 2019, o objetivo inicial era lançar o filme no Brasil no ano seguinte, mas por conta da demora na liberação da Ancine, “Medida Provisória” foi apresentado primeiramente no exterior, com sucesso absoluto. O filme de Lázaro Ramos venceu o troféu de Melhor Roteiro no Indie Memphis Film Fest e foi considerado o “melhor filme brasileiro desde a ‘Cidade de Deus'” no festival Pan African Film, além do sucesso da crítica americana depois da exibição no SXSW, Washington DC International Film festival, Pan African Film Festival, Festival de Cinema Iberoamericano de Huelva e Festival de Havana. 100% de aprovação!

Humor, drama e thriller

Combo completo de um roteiro que prende a atenção do público. O enredo se passa num futuro distópico em que o governo brasileiro decreta uma medida que obriga os cidadãos negros a voltarem à África como forma de reparar os tempos de escravidão, com isso o filme também debate as questões sociais.

O roteiro é baseado no sucesso teatral brasileiro “Namíbia, Não!”, de Aldri Anunciação – que também integra o elenco como ator. Escrito originalmente em 2011, Lázaro se apaixonou pelo texto e o adaptou para o cinema em 2015, sendo ele filmado em 2019 em diversas locações na cidade do Rio de Janeiro.

Elenco e trilha sonora

O elenco é mais um motivo para ir até o cinema. Alfred Enoch (Harry Potter e How to Get Away With Murder), é o advogado Antônio e Taís Araujo é sua companheira e médica chamada Capitú. Seu Jorge é o jornalista André, primo de Capitú, e o trio mostra entrosamento em suas atuações. E não para por aí: são 77 atores no total, entre eles Adriana Esteves, Renata Sorrah, Mariana Xavier, Emicida, Flávio Bauraqui e Paulo Chun.

A trilha sonora tem direção musical assinada por Plínio Profeta, Rincon Sapiência e Kiko de Souza, e traz canções nas vozes de Elza Soares, Xênia França e Liniker. O resultado é uma carga cinematográfica sob o comando de Plínio e sonoridades do hip hop paulista contemporâneo trazidos por Rincon e Kiko.

Lázaro Ramos inspirado

Há 20 anos, Lázaro Ramos foi “apresentado” ao Brasil com a interpretação do transformista João Francisco dos Santos, mais conhecido como Madame Satã, nos cinemas. Depois disso, ele não parou mais e fez sucesso em diversos papéis, com destaque para Foguinho, da novela “Cobras e Lagartos”, que rendeu ao ator a indicação ao Emmy em 2007.

A chegada à direção foi com o documentário “Bando, Um filme De:”, em 2018, seguido do especial “Falas Negras” exibido na Globo, em 2020. “Medida Provisória” é seu primeiro trabalho à frente de um longa e Lázaro falou sobre o desafio: “É uma distopia assim como tantas outras do audiovisual, entre elas “The Handmaid’s Tale” e “Black Mirror”. É um texto que veio do teatro, em 2011, pensando um futuro impossível de acontecer. Infelizmente de lá pra cá muito se assemelha a pontos da história contemporânea e, aí, a ficção, mais uma vez, se confunde com a realidade”, disse em entrevista ao “Gshow”.

Você também pode gostar