Foto: MAM Rio divulgação.

Fabio Szwarcwald, diretor executivo do MAM Rio e colecionador de arte, revela suas preferências pessoais sob medida

1 Compartilhamentos
1
0
0
0
0

Fabio Szwarcwald, diretor executivo do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio) e colecionador de arte, foi também diretor da Escola de Artes Visuais (EAV) do Parque Lage. É membro do Conselho de Liderança Internacional do New Museum, de Nova York, e integra o Conselho Empresarial de Economia Criativa da Firjan. Economista, atuou por mais de 20 anos no mercado financeiro antes de mergulhar no universo artístico.

Ser bem-sucedido é: Trabalhar no que se ama com pessoas que admiramos.

Momento de mau humor: Falta de respeito me deixa mal humorado.

Uma frase: “O ato de contemplar não significa receptividade passiva, é antes altamente dinâmico. Para cada espectador que a recria para si mesmo em inúmeros e renovados instantes, a obra de arte se revela numa constante reencarnação, em vida que indefinidamente renasce”, de Fayga Ostrower.

Um medo: Não viver em um país democrático.

Peça de roupa preferida: Qualquer peça do (estilista baiano) Guto Carvalho Neto.

Sonho de Infância: Me formar e ser bem-sucedido na carreira escolhida.

Com o que se preocupa: Atualmente com os rumos do país. E, claro, minha família e trabalho são objetos de constante atenção.

Livro de cabeceira: Autobiografia de um Iogue, Paramahansa Yogananda.

Quem te inspira: Paulo Freire.

Qualidade: Saber ouvir e trabalhar em equipe.

Defeito: Ansiedade.

Onde e quando é mais feliz: Viajando com a família e quando vejo o MAM Rio realizando projetos que promovem a inclusão e a diversidade. Isso realmente me move!

Melhor hora do dia: Quando volto para casa depois de um dia produtivo de trabalho e encontro minha família.

Uma conta que você gosta de seguir no instagram: @newmemeseum

A última coisa que comprei foi: O conjunto de obras do Clube dos Colecionadores (8 edição), programa de colecionismo do MAM Rio, que inclui trabalhos de Dalton Paula, Gê Viana, Paulo Nazareth e Rivane Neuenschwander e conta com edição especial de Thiago Martins de Melo.

Uma descoberta recente: O museu-casa-escola Acervo da Laje, na Bahia. É um espaço museal de memória artística fundado por Vilma Santos e José Eduardo Ferreira Santos, que reúne obras de artistas não biografados do Subúrbio Ferroviário de Salvador.

Estado mental neste momento: Atento a tudo, em um momento delicado, mas acreditando que há saídas possíveis e potentes para a cultura e para o país.

O que falta realizar: Tenho muitos projetos a serem realizados. Contribuir para a formação de acervos em museus periféricos no Rio e no interior do Brasil é um deles. Montar um fundo de endowment [doação] para garantir a sustentabilidade financeira do MAM Rio é outro.

Desejo para o futuro: Voltar a contar com um Ministério da Cultura na esfera federal, que seja atuante e acessível a todos os profissionais da cultura.

Pecado gastronômico: Cheesecake.

Um passeio imperdível: Inhotim, em Minas Gerais.

Três discos que você levaria para uma ilha deserta: Tribalistas, de Tribalistas, Ofertório, de Caetano, Moreno, Zeca e Tom Veloso, e uma boa coletânea da Bebel Gilberto.

Uma exposição inesquecível: Vou citar duas: Abraham Palatnik – A Reinvenção da Pintura, no CCBB Rio, e Ernesto Neto: Sopro, na Pinacoteca de São Paulo.

Lugar preferido no mundo: Rio de Janeiro.

Três artistas que estão despontando na cena atual: Dalton Paula, Paulo Nazareth, Sallisa Rosa.

Primeira coisa que faz quando chega ao trabalho: Acender um incenso e dar bom-dia à equipe energizando todos.

O que não pode faltar no café da manhã: Informação e suco verde.

Um (a) artista e uma obra que deveriam estar em todos os museus: A série Bichos, da Lygia Clark.

Três nomes brasileiros essenciais em uma boa coleção: Cildo Meireles, Hélio Oiticica e Lygia Clark.

Que cantor (a) ou banda sempre estão em uma playlist sua? Marisa Monte.

Melhor do Brasil: A ancestralidade múltipla e diversa.

Um museu no mundo: MAM Rio.

Você também pode gostar