11.08.2020  /  13:10

Confira cinco revelações tiradas do livro que fala dos bastidores da saída de Harry e Meghan da família real

Foi lançado nesta terça-feira o aguardado “Finding Freedom”, livro que revela os bastidores da saída do príncipe Harry e de Meghan Markle da família real britânica. Segundo o jornal britânico “The Mirror”, a publicação promete dar o que falar ao expor detalhes das “lutas e frustrações” dos duques de Sussex.

Entre as revelações mais bombásticas estão a rivalidade entre os irmãos, Harry e William, as sessões de treinamento “assustadoras” pelas quais Meghan passou e o roubo das fotos do casamento real. Confira alguns pontos levantados pelo livro:

1) Harry acreditava que a equipe de William estava fazendo de tudo para que o irmão mais velho parecesse melhor do que ele.

2) Meghan e Harry foram forçados a despedir a primeira babá de Archie devido a um “incidente durante a noite”. O livro afirma que a razão da demissão foi pouco profissionalismo e irresponsabilidade. A moça foi demitida na segunda noite de serviço.

3) Depois que sua relação com Harry se tornou pública, Meghan recebeu um “muitas ameaças” e precisou passar por um treinamento do SAS (Serviço Aéreo Especial) por dois dias, que considerou “intenso e assustador”. Tratou-se de uma preparação para todos os cenários de alto risco possíveis, como sequestros e ataques terroristas. A duquesa chegou a ser “colocada na parte de trás de um carro” por um “terrorista” e levada a um local antes de ser salva pelos oficiais.

4) Meghan chorou ao se despedir da equipe que cuidou dela durante o período em que foi noiva de Harry. A equipe era uma espécie de “família” para ela.

5) A rainha Elizabeth II gostava muito de Meghan e deu a ela uma “masterclass real”. A monarca também costumava elogiar a nora dizendo que era “muito inteligente e boa em entender o que é necessário”.

6) Um hacker russo roubou centenas de fotos pessoais dos casais, incluindo fotos do casamento em que a rainha aparecia. “Harry e Meghan ficaram alarmados ao saber que era tão fácil obter arquivos pessoais deles”, disseram os autores do livro. As imagens chegaram a ser publicadas na internet, mas muitas pessoas acharam que eram falsas.