Maite Proença

Maitê Proença fala sobre autodepreciação em tempos de vida perfeita na internet

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0

“Depois de um tempinho no Instagram, a gente se sente inferiorizado”

Maitê Proença

O corpo perfeito, a casa dos sonhos, o melhor relacionamento do mundo, viver viajando… Que atire a primeira pedra quem nunca viu aquela foto incrível no Instagram alheio e, secretamente se comparou com a vida perfeita mostrada por tantos na rede social. A vida digital descontrolada tem causado efeitos no bem-estar de quase todo mundo… Bem, pelo menos da maioria presente nas comunidades digitais. Maitê Proença, atriz e escritora, ressalta esse pensamento e lembra que ela mesma já se viu nessa posição de se depreciar. “Hoje em dia as mídias sociais mostram todo mundo perfeito, muito feliz, sem inseguranças… é inevitável que você fique se sentindo o coco do cavalo do bandido. Depois de um tempinho no Instagram, a gente se sente inferiorizado. E vai se depreciar, porque não é nada daquilo”, diz ela.

O tema, aliás, é tão importante para Maitê Proença que em 2020 até virou um monólogo virtual escrito por ela, e inspirado nas inseguranças que todos temos, com nome bem sugestivo: “O Pior de Mim”. “Mostro o pior de mim… quando errei vergonhosamente, que eu sofri muito, que ergui muros, afastando as pessoas, coisas que eu não via e que vejo hoje”, explica.

Mas também, não sejamos radicais. Quando bem usadas, as redes sociais são uma excelente ponte de contato, principalmente em tempos de coronavírus, quando não podemos sair e socializar a moda antiga. Maitê Proença concorda. “Acabei criando laços com seguidores que estão sempre ali. Respondo tudo e as pessoas acabam se arrependendo de ter perguntado. Não quero fazer todas as concessões que as pessoas fazem pra bombar. Faço o que realmente pode prestar algum tipo de serviço, coisas que me divertem. O Instagram e as redes me fizeram muito bem nesse período de isolamento. Até dei dicas de produtos de limpeza feitos em casa, muito mais baratos. Daqueles que a vovó usava. E a casa da vovó era limpa. Fui mostrando coisas práticas da casa. Até faxina”, ela revela.

Você pode conferir mais desta conversa aqui.

Você também pode gostar
Vicio em Internet

Viver para postar

Natalia Timerman escreve sobre as redes sociais e diz que ela atenuam a distância entre o público e o privado, entre o que deveríamos guardar e exibir