Zuckerberg e Pony Ma

Zuckerberg e Pony Ma || Créditos: Getty Images/Reprodução

Como Mark Zuckerberg driblou os chineses para comprar o WhatsApp em 2014

29.06.2017  /  12:38

Zuckerberg e Pony Ma || Créditos: Getty Images/Reprodução

Uma reportagem publicada na última edição da revista “Bloomberg Businessweek” traz novas informações sobre a compra do WhatsApp pelo Facebook, há mais de três anos. De acordo com a publicação, a megatransação foi orquestrada por Mark Zuckerberg no último minuto, já que a gigante chinesa Tencent era a mais cotada para ficar com o aplicativo de mensagens e chegou a fazer uma oferta de US$ 9,5 bilhões (R$ 31,3 bilhões) para fechar o negócio com seus fundadores, os hoje bilionários Brian Acton e Jan Koum.

Quando soube da movimentação dos chineses, Zuckerberg colocou na mesa um valor bem maior do que estava inicialmente disposto a pagar pelo WhatsApp e o dobro do oferecido pela Tencent – US$ 19 bilhões (R$ 62,6 bilhões) – e exigiu uma resposta imediata de Brian e Jan naquele 19 de fevereiro de 2014.

A pressa tinha um motivo: é que o cofundador e CEO do Facebook soube que o presidente da Tencent, Ma Huateng, mais conhecido como Pony Ma, ficaria horas incomunicável por conta de uma cirurgia nas costas que faria no mesmo dia, e portando não teria tempo para elaborar uma contraproposta. (Por Anderson Antunes)