03.03.2021  /  15:12

Coleção de estreia de Gabriela Hearst na Chloé foca na sustentabilidade e nas raízes uruguaias da estilista

Outono-Inverno 2021 da Chloé por Gabriela Hearst // Divulgação

Gabriela Hearst fez sua estreia para a Maison Chloé nesta quarta-feira, quando Gaby Aghion, criadora da marca, faria 100 anos. Quando a fundadora da Chloé, que significa ‘florescendo’ em grego, começou a apresentar suas primeiras coleções, juntou seus convidados para ver suas crianções em dois locais icônicos na ‘rive gauche’ de Paris: o Cafe de Flore e Brasserie Lipp. E o Outono-Inverno 2021 por Gabi Hearst foi apresentado no mesmo lugar. Evitando lugares fechados e aglomerações, ss modelos saíam dos dois spots famosos e desfilaram no meio da rua.

Hearst está entre as estilistas que se preocupam bastante com questões ambientais e está sempre em busca de soluções nesse sentido. Por essas e outras, um plano de sustentabilidade delineando objetivos para 2025 foi acelerado com um novo cronograma de um ano. O uso de matérias-primas de menor impacto tornou essa coleção quatro vezes mais sustentável em relação ao ano passado. Para ready-to-wear, isso inclui: eliminação de fibra sintética virgem (poliéster) ou artificial fibra celulósica (viscose) e denim reciclado, reutilizado e orgânico. Mais de 50% da seda vem da agricultura orgânica e mais de 80% de fios de cashmere é reciclado.

No esforço de fazer com que a Chloé se mostre mais neutra em carbono, as emissões estão sendo compensadas com um projeto de reflorestamento de manguezais em Mianmar.

O que se viu na passarela do Outono-Inverno 2021 da Chloé, foi uma coleção feminina, como pede a marca, com muitos casacos, vestidos de couro ou cashmere, muitos deles listrados, ponchos, franjas em roupas e acessórios, e sobreposições trazendo um mood étnico que remete à origem uruguaia de Gabriela.

Por falar nisso, as bolsas se tornaram objetos de desejo imediatos.  “Minha primeira bolsa de luxo foi a bolsa Chloé Edith e é uma peça que ainda amo e queria homenagear ”, explicou a estilista.  Nesta temporada, a bolsa Edith foi
ressignificada. Manteve seu shape tradicional, mas 50 modelos vintage sofreram intervenções com sobras de material da coleção. Cada uma é única.

Outros novos estilos incluem a bolsa Juana em quilt recortado e patchwork couro, e as em couro tricotadas à mão, nossas favoritas. “Para mim, são peças de luxo que mostram como qualidade e artesanato podem coexistir sem excessos”, finaliza Gabriela Hearst. Adoramos! Play para assistir o desfile completo: