12.05.2019  /  9:00

Check-in! Hotel europeu mais “quente” do momento fica na gélida Noruega, e é um luxo só…

Retain, o mais rico da Noruega: ele sonhava com o hotel desde criança || Créditos: Reprodução

A Noruega não é o primeiro lugar que vem à cabeça quando se pensa no verão da Europa, mas o destino mais “quente” que promete agitar a próxima temporada de calor no velho continente fica na terra escandinava. Reinaugurado recentemente em Trondheim, uma cidade norueguesa fundada no século 11, o luxuoso Hotel Britannia está praticamente cem por cento “bookado” entre os meses de junho e agosto, quando o sol brilha mais forte por lá.

No passado, a pitoresca Trondheim já serviu de capital para a Noruega, e quem teve a ideia de reformar o empreendimento para poucos cujas portas se abriram pela primeira vez em 1705 foi Odd Retain, o homem mais rico do país com uma fortuna de US$ 5,8 bilhões (R$ 23 bilhões) construída no segmento de supermercados, que por acaso também sempre viveu na localidade histórica e desde criança teve fascínio pelo Britannia.

Típico “self-made man”, ele nasceu pobre mas aprendeu a gostar das coisas boas da vida quando começou a ganhar dinheiro, e sempre pensou em dar uma revitalizada no visual do cinco estrelas que viveu sua melhor fase no começo do século passado mas caiu em decadência a partir de meados dos anos 1970. Retain o comprou anos atrás, e gastou pelo menos US$ 115 milhões (R$ 455,4 milhões) para deixá-lo como está agora.

Como se trata de um dos lugares mais caros para se hospedar em todo o mundo, o Britannia deverá receber em breve uma avalanche de multimilionários, aristocratas e, em alguns casos tratados com muita discrição, membros de famílias reais europeias. Suas suítes têm decoração clássica, mas modernidades como piso aquecido nos banheiros. Um spa com produtos exclusivos da farmácia D.R. Harris, a mais antiga de Londres, e um restaurante que serve sardinha pescada no dia também são destaque.

Curtir tudo isso não sai por menos do que € 6 mil (R$ 26,7 mil) por noite, mas quem já teve a chance de viver a experiência garante que vale cada centavo. Melhor do que isso, só mesmo a oportunidade de dormir no mesmo hotspot que já recebeu gente como o explorador do Ártico Fridtjof Nansen (em 1896) e até a rainha Elizabeth II (em 1969), sendo que ambos e muitos outros deixaram recados no livro de hóspedes. (Por Anderson Antunes)0