18.04.2018  /  14:17

Charlize Theron vai aparecer com 23 kg a mais em novo filme que poderá lhe render mais um Oscar

Charlize Theron, em cena de “Tully” e depois de voltar à velha forma || Créditos: Getty Images/Reprodução

Charlize Theron, que já foi eleita a mulher mais bonita do mundo, vai aparecer com quase 23 quilos a mais em seu próximo trabalho na telona, a comédia dramática “Tully”, que em janeiro ganhou uma sessão especial no Festival de Sundance e estreia no circuito comercial do hemisfério norte no começo de maio. No longa dirigido por Jason Reitman e cujo roteiro é assinado por Diablo Cody a atriz interpreta a mãe de três filhos pequenos que se torna amiga da babá deles, interpretada por Mackenzie Davis, em meio às dificuldades para criá-los.

Logo que aceitou o papel, Charlize – que normalmente pesa 55 kg distribuídos em 1,77 m de altura – foi informada por Reitman e Cody que precisaria abrir mão de sua silhueta enxuta, algo que topou na hora. “Eu queria sentir o que essa mulher sentiu e acredito que dessa forma conseguiria entrar na cabeça dela”, a estrela sul-africana disse ao “New York Post”.

Para aumentar o manequim ela precisou se submeter a uma dieta que incluía altas doses de carboidratos e açúcar. “Eu lembro que colocava o relógio pra despertar no meio da madrugada pra comer macarrão com queijo”, contou, admitindo que ficou depressiva e irritada durante o processo. E isso sem falar que os dois filhos dela, Jackson, de 6 anos, e August, de 2 anos, chegaram a pensar que a mãe estava grávida.

Aos 43 anos, Charlize levou um ano e meio para voltar à velha forma, bem mais do que o tempo que precisou para emagrecer depois que filmou “Monster – Desejo Assassino”, pelo qual ganhou um Oscar. Culpa do tempo, conforme o que disse ao “Post” (na época ela tinha só 27 aninhos). A boa notícia é que “Tully” está sendo elogiadíssimo pela crítica, tanto que já tem gente apostando que a Academia está de olho na produção. Se o efeito sanfona forçado render mais um Oscar para a atriz terá valido cada caloria extra. (Por Anderson Antunes)