23.07.2018  /  11:49

Casa Hilda Hilst, na Flip, promete imersão à história da autora com participação de elenco dos bons

Tainá Muller caracterizada de Hilda Hilst || Crédito: Frâncio de Holanda

Acontece a partir desta quarta-feira a 16ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip). Neste ano, o evento será marcado pelas homenagens a Hilda Hilst, com a première mundial do filme “Hilda Hilst pede contato”, dirigido por Gabriela Greeb. E pela primeira vez, em 16 anos de Flip, o autor homenageado terá um espaço próprio em Paraty: a Casa Hilda Hilst.

Um projeto do Instituto Hilda Hilst e Hysteria, com apoio da Companhia das Letras, a casa está instalada na frente da Praça da Matriz, no centro histórico de Paraty, e promete imersão ao universo da autora com programação intensa de oficinas, mesas, saraus e um ambiente expositivo com vídeos apresentando as múltiplas faces da autora. O que vai ter lá? Parede-instalação que vai exibir três vídeos, desenhos inéditos de Hilda, depoimentos de amigos íntimos e ainda uma performance da atriz Tainá Muller, que se prepara para viver a autora no cinema e vai guiar os visitantes por um passeio pelo local que remete aos ambientes da Casa do Sol – chácara em Campinas onde Hilda morou de 1966 até morrer, em 2004. Tudo isso caracterizada como Hilda, produção que será vista pela primeira vez.

A trilha sonora das instalações da Casa, feita especialmente para o evento, reunirá artistas como Letrux, Raquel e Assucena, da banda As Bahias e a Cozinha Mineira e Camila Pitanga, declamando poemas da Hilda. Haverá ainda uma loja-conceito da Livraria da Travessa e um bar batizado de Bar do Bico em alusão a um trecho do livro “Cartas de um Sedutor”, com cardápio inspirado em Hilda (1930-2004).

Abaixo, Glamurama entrega em primeira mão como será a participação de Camila Pitanga, que conta com produção de Márcio Arantes, e desenhos inéditos que serão expostos no local.

Programação Casa Hilda Hilst

De quinta-feira até domingo, a programação da casa começa às 10h, quando será oferecida uma oficina de Donizeti Mazonas, artista que trabalha há mais de dez com a obra de Hilda no teatro. Diariamente, duas mesas vão abordar temas sobre a vida e a obra da autora. A primeira acontece na quinta, dia 26, às 13h, e vai reunir pessoas próximas a Hilda: os amigos Olga Bilenky, Leusa Araújo e Jurandy Valença conversam com mediação de Tainá Muller. Às 18h, o debate será sobre poesia com Ricardo Domeneck, Laura Erber e Gutemberg Medeiros mediados por Luciana Araújo Marques.