14.04.2018  /  8:00

Carol Jabor: “Quem ganha relevância no debate é neutralizado, aniquilado, assassinado. Tempos sombrios”

Carolina Jabor || Créditos: Divulgação

Carolina Jabor acaba de lançar “Aos Teus Olhos”. O filme – com Daniel de Oliveira na pele de um professor de natação infantil acusado de pedofilia em redes sociais – “discute a vida que temos vivido, o linchamento virtual, o pré-julgamento e eventualmente uma condenação sem provas”, resume a diretora.

Não dá pra não misturar com política, né? Com dados dos perfis das pessoas em redes sociais sendo usados como munição em campanhas eleitorais, catalisadores de fake news e intolerâncias… “A internet tem manipulado muito a gente e destruído reputações. Invade nossa privacidade, nossa vida. O filme traz um debate sobre essa força, essa nova forma de se comunicar, se relacionar e julgar”.

“É quase sempre para difamar. A gente não fica mentindo sobre coisa boa”

Por falar em fake news… “As notícias falsas geralmente são para prejudicar o outro. A gente não fica mentindo sobre coisa boa. É quase sempre para difamar quem está ganhando relevância no debate dos dias de hoje e lutando por justiça, condições melhores de vida, parar com violência e conservadorismo. Quando essas pessoas ganham voz, são logo neutralizadas, aniquiladas, assassinadas. Geralmente isso vem do conservadorismo e da fragilidade de opinião e se aproveita das fake news pra ganhar voz e voto – o que é perigosíssimo em ano eleitoral”. Perguntamos se a cineasta está apreensiva com a proximidade das eleições. “É, a gente não sabe o que vem. São tempos muito sombrios. Está difícil acreditar nas pessoas e suas ideias. Tomara que apareçam candidatos que possam nos representar e que a gente esteja atento para ter clareza na votação, em quem acreditar…”

“Ficamos desacreditados porque está na hora de julgar com igualdade”

Comentamos com Carol sobre muita gente não saber mais a escalação da Seleção, mas conhecer todos os ministros do Supremo – pensamento que tem circulado nos grupos de WhatsApp.”É que a gente está em uma fase em que não dá pra brincar muito. Os ministros do Supremo são pessoas relevantes no momento, estão sendo muito faladas. É difícil porque tem muita gente pra ser julgada que não estão sendo ainda. Ficamos desacreditados porque está na hora de julgar com igualdade. É duro o que a gente está vivendo e duro porque nós poderíamos estar curtindo essa época de Copa do Mundo”.

Sexualidade feminina e outros temas

Próximos projetos? “Me interessam muito os temas contemporâneos, presentes em um pensamento coletivo. Está tudo em movimento, se modificando bastante. Tem ondas de sentimento, de questões que afligem todo mundo hoje em dia. Ainda não posso falar de próximos trabalhos, só da segunda temporada de ‘Desnude’, série no GNT sobre a sexualidade feminina, programada para o início do ano que vem. Será com a mesma equipe, mas novas histórias e atrizes”. Já escalou alguém? “Ainda não…” (por Michelle Licory)