18.02.2015  /  12:01

Caetano, Camila Pitanga e Alinne Moraes em baile privé: aos detalhes!

Vik Muniz e Malu Barreto, Caetano Veloso, Alinne Moraes e Camila Pitanga || Créditos: Michelle Licory
Vik Muniz e Malu Barreto, Caetano Veloso, Alinne Moraes e Camila Pitanga || Créditos: Michelle Licory

Por Michelle Licory

Glamurama estava entre os convidados do “Baile da Arara”, um evento privé organizado por Malu Barreto, mulher de Vik Muniz, Rodrigo Peirão e Pedro Igor Alcântara essa terça-feira em um casarão de Santa Teresa, no Rio. Quem foi? Jackie de Botton, com a fantasia que já havia adiantado pra gente: colombina. E Camila Pitanga, linda de cartola e tudo, colocando a saia para rodar sutilmente à beira da piscina, cheia de graça e delicadeza. “Estou gravando a novela ‘Babilônia’ todos os dias. Hoje foi minha única folga do Carnaval e amanhã só começo a trabalhar à tarde, então pude vir. Não deu para ir a blocos nem à Sapucaí desta vez. Sábado das campeãs? Vou estar gravando também…”

Logo cedo, a gente encontrou Mauro Lima. Perguntamos: cadê a Alinne [Moraes, mulher dele]? “Já está chegando.” O cineasta foi então para a porta da festa e ficou cerca de vinte minutos esperando a moça surgir num daqueles carrinhos de golfe – que salvaram a mulherada que descia do táxi no portão da propriedade e teria que vencer muitos paralelepípedos até entrar de fato na casa. Pedimos uma foto para a atriz. “Só não faz com essa luz de fundo azul, vira ela para esse lado”, pediu Mauro com seu olhar cinematográfico, cheio de cuidados com Alinne. “Consegui ir ontem um pouquinho na Avenida ver as escolas. Meu Carnaval está sendo ótimo”, disse a mãe de Pedro, de 9 meses.

Caetano Veloso estava por lá, acompanhando da namorada, Luana Moussallem. Ele foi com uma camisa florida que dividiu opiniões no nosso Instagram: teve gente que brincou que a peça era emprestada, de Silvio Santos. Luana escolheu para a ocasião uma bata africana, essa, sim, emprestada mesmo… De Caetano. Ah, Paula Lavigne era outra que circulava pelos salões. A ex-mulher do cantor é o nome por trás de Pretinho da Serrinha, que se apresentou com sua roda de samba durante a noite – na qual Caetano deu palinha. Ah, Seu Jorge também deu. Paula era só sorrisos, estava leve, tranquila, de franjinha, poás, chapéu e saia armada… Colombina feelings também.

Roberta Sá dava beijos sem fim no novo namorado, Antônio Pedro, na varanda. Isabela Capeto ganhava elogios por sua fantasia. Ela que fez, claro. E o que dizer de Gaspar Muniz [filho de Vik] de índio, arrancando suspiros, digamos, de todos os públicos? Gustavo e Otavio Pandolfo, OSGEMEOS, estavam ciceroneando gringos – havia muitos na festa. Contaram pra gente que passaram os dias de folia no Rio, mas só turistando, sem confete e serpentina.  Vários outros rostos conhecido por lá: Cleo Pires, Debora Bloch, Ricardo Lowndes Dale, Constança Basto, Lucio Salvatore… E um monte de rapazes que pareciam estar vestidos de diferentes versões de Ney Matogrosso fase Secos e Molhados: peito nu, purpurina, maquiagem e só um paninho lá embaixo. Bebida rolou bastante. A comida tinha que comprar no jardim, onde estacionou um food truck de hambúrguer gourmet.

Vik Muniz estava fantasiado de malandro, com bigodinho e tudo, totalmente incorporado no personagem. Alugou a roupa no centro da cidade. Se tem uma coisa que o artista plástico ama… é Carnaval. “Neste ano fui duas vezes à Sapucaí e fiquei feliz porque minha escola preferida foi a melhor: Portela! Você viu aquela águia? Lindo! Meus filhos pequenos desfilaram hoje na Filhos da Águia [versão mirim da Portela, que cruza a Avenida com as crianças de outras agremiações]. E curti os blocos GLS porque tenho muitos amigos gays e lésbicas. Adorei o Toco-Xona. Vou sempre. Também estava lá no Bola Preta, mas quando o bloco é bom em um ano, no seguinte fica ruim porque vai todo mundo. Estava supercheio. No Rio, o Carnaval é mais visual, em Salvador, mais musical. Eu curto tudo. Artista plástico goza do grande benefício do anonimato. E, quando sou reconhecido, é por alguém que gosta da minha obra, ou que o filho estudou meu trabalho na escola, sabe? É legal.”