27.05.2015  /  14:00

Brasil perde representatividade na lista das mais poderosas da Forbes

Dilma Roussef, Graça Foster e Gisele Bündchen: queda nas mais poderosas || Créditos: Getty Images
Dilma Roussef, Graça Foster e Gisele Bündchen: queda na lista das mais poderosas || Créditos: Getty Images

O Brasil perdeu representatividade na lista das mulheres mais poderosas do mundo, divulgada ontem pela revista “Forbes”. A presidente Dilma Rousseff, que no ano passado apareceu na quarta posição no ranking, uma abaixo da posição que havia conquistado em 2013, quando chegou a estampar a capa da publicação de economia e finanças, agora é a sétima mulher mais poderosa do mundo. Já Maria das Graças Silva Foster e Gisele Bündchen – recém-aposentada das passarelas -, que foram incluídas nas duas últimas edições da lista, ficaram de fora neste ano.

A chanceler alemã Angela Merkel continua firme e forte no posto de mulher mais poderosa do mundo, seguida por Hillary Clinton. Entre as 10 mulheres mais poderosas do mundo, sete são norte-americanas. Outras latinas que se destacaram neste ano são a presidente Cristina Kirchner, da Argentina, na 16ª posição; Michelle Bacheletet, presidente do Chile, na 27ª posição; a atriz colombiana Sofia Vergara, na 57ª posição; e a cantora colombiana Shakira, na 81ª posição.