18.12.2020  /  11:00

Black Lives Matter: 2020 termina com pretos no topo, representatividade em alta e luta por respeito

Jojo Toddynho, Thelminha e Babu Santana, Iza e Victor Alvez e Carlinhos Brown e Cauê || Créditos: Reprodução

“A mudança não virá se esperarmos por outra pessoa ou outros tempos. Nós somos aqueles por quem estávamos esperando. Nós somos a mudança que procuramos”, essa frase de Barack Obama marca bem o ano de 2020 para os negros. Um ano de luta pela vida por vários motivos. Além da pandemia de Covid-19, a população preta ainda teve que superar casos de racismo que se espalharam pelo mundo e fizeram a #BlackLivesMatter ganhar força com uma série de protestos contra a desigualdade racial. Batalha que não é de hoje e infelizmente está longe de acabar.

Mesmo nesse tempo sombrio, a representatividade esteve em alta e quebrou paradigmas. O ano de 2020 começou com duas fortes personalidades pretas na televisão: Babu Santana e Thelminha, que ganhou o ‘BBB 20’ por conta de sua conduta, caráter e orgulho de sua história. Babu também teve papel importante no reality ao explicar para os participantes as questões relacionadas ao racismo estrutural e sua lealdade a Thelminha. Não à toa, os dois ainda colhem os frutos da participação no programa.

Também no início do ano, Carlinhos Brown levou o participante Kauê Penna ao pódio do “The Voice Kids”. Dois negros brasileiros: “Obrigado Carlinhos Brown por ter acreditado em mim, por me fazer voar mais alto do que eu poderia imaginar…”, disse o garoto de 14 anos, que é de São João de Meriti, na Baixada Fluminense do Rio de Janeiro, no dia em que venceu a disputa.

Nessa quinta-feira, o Brasil viu mais um show de representatividade. Na final do “The Voice Brasil”, a técnica Iza entregou o troféu para o seu candidato, Victor Alves. O artista é de Macaé, no Rio de Janeiro, e cantou vários hits do pagode ao pop. Já na concorrência, a Record apresentou a final da “A Fazenda”, reality que mexeu com o país nos últimos meses, e consagrou Jojo Toddynho como a grande vencedora. Em sua trajetória no programa, a funkeira mostrou que tem personalidade forte, esclareceu questões como “racismo reverso”, contou episódios vividos ao longo da vida por ser mulher, preta e gorda, além de ser uma das participantes mais engraçadas com uma série de memes que já contamos aqui.

Vale ressaltar mais dois grandes momentos em 2020: O programa “Falas Negras” exibido pela Globo no Dia da Consciência Negra, em que várias personalidades negras foram retratadas para mostrar a importância de sua luta contra o preconceito. Mais recentemente, “AmarElo”, documentário de Emicida na Netflix que também relata o valor dos negros na cultura brasileira. É aquilo: representatividade importa.