25.11.2016  /  12:06

Baile de gala do MASP agita o mundo das artes com show de Marisa Monte

Geral do subsolo do MASP, palco da noite de gala com show de Marisa Monte || Créditos: Reprodução / Instagram
Geral do subsolo do MASP, palco da noite de gala com show de Marisa Monte || Créditos: Reprodução Instagram

A noite dessa quinta-feira teve gostinho de inédito e exclusivo para os pouco mais de 500 convidados do jantar beneficente anual organizado pelo MASP, em São Paulo. Com o intuito de angariar fundos para a instituição, a noite celebra a cultura e reúne, além de patrocinadores e apoiadores, pessoas que pagaram de R$500 a R$2.5 mil por convite – o mais caro dava direito a um lugar à mesa com jantar comandado pela Chef Morena Leite, já o ticket de preço mais baixo era único e exclusivo para assistir ao show da cantora Marisa Monte, estrela da noite.

Com dress code black tie, o jantar fez bonito – blinis de tapioca com surubim defumado de entrada e risoto de pato com tucupi como prato principal. Para os vegetarianos, foi servido risoto de palmito pupunha e a sobremesa era bala de coco com baba de moça. Nos bebes, vinhos da Vinícola Guaspari, localizada na montanhosa Espírito Santo do Pinhal, no interior de São Paulo. Entre os convidados estavam Alfredo e Rose Setúbal, Bia e Fernando Prado, Gustavo Von Ha, Maurício Monteiro, Vera Diniz, família Moraes, Bia e Fernando Prado, Angelita Feijó, Cleuza Garfinkel, Duda e Sofia Derani – embaixadoras da noite -, Paulo Von Poser e Felipe Dmab. Abaixo, uma palinha do show de Marisa Monte.

Marcado para as 23 horas, o show começou ligeiro atraso e aconteceu no subsolo do museu, que se “pintou” de vermelho com a ajuda de uma iluminação especial. Diferente de anos anteriores, alguns convidados tiveram desta vez banquinhos de papelão à disposição. Cantando clássicos e esbanjando simpatia, Marisa deu o tom e levou o público ao delírio. Marisa fez questão de que não fosse servida bebida enquanto ela cantava, para que o barulho do bar não atrapalhasse a apresentação. Quem ficou com sede, teve que se contentar com água.

O clima de satisfação pegou geral e quando deram conta, metade dos convidados estava rodando na pista de dança ao som da DJ Marina Diniz, que pelo segundo ano comandou o after party, deixando o dancefloor disputado com uma mistura boa de flashback e pop. “No meu set eu fiz dois remixes especialmente para a noite: um bootleg de Finder com filhos de Gandhi do Gil e bullit com o poema ‘Quando o Amor Vacila’, de Maria Bethânia”, contou Marina.

Sem pretensões, a noite ganha status de cool e entra para o calendário de festas “tem que ir”. Agora o jeito é esperar a do ano que vem. Até lá, os cliques abaixo. Só seguir a seta…