26.11.2016  /  9:00

Atriz Martha Nowill abre seu closet e seu imaginário para a revista J.P

Martha Nowill usa camisa Max Mara, calça Amapô, tênis Superga e brinco Lokalwear | Foto: Camila Svenson
Martha Nowill usa camisa Max Mara, calça Amapô, tênis Superga e brinco Lokalwear | Foto: Camila Svenson

A atriz Martha Nowill tem uma relação muito singular com moda e beleza – em ambas áreas, tudo deve ter um significado ou muita funcionalidade

Por Kanucha Barbosa para a revista J.P de novembro

Fotos Camila Svenson

Alta, de cabelo volumoso e sobrancelhas grossas, a atriz Martha Nowill, 36 anos, tem uma presença toda própria. Por isso mesmo, adora acessórios igualmente marcantes: “Sou apaixonada por colares, brincos, joias, bijoux – e acho que os modelos maiores ficam muito bem em mim”, diz a J.P. Seu closet tem traços de camarim – com direito a penteadeira – e peças cheias de história. Enquanto mostra um casaco estampado, Martha relembra a última vez que o usou, e é assim com quase tudo. Muita coisa ali é herança de sua avó, Dorina Nowill, que é fonte de inspiração tão intensa para a atriz que foi centro do documentário Dorina – Olhar para o Mundo, produzido pela neta em parceria com a HBO. “Minha avó, que era cega, foi uma apaixonada por roupa e moda, tinha um armário totalmente organizado, com peças de muita personalidade trazidas de viagens mundo afora. Mesmo que ela não se enxergasse, era muito antenada e superelegante”, conta.

Além do documentário, com direção de Lina Chamie, o outro projeto da atriz nascido neste ano é Vermelho Russo, filme dirigido por Charly Braun, no qual Martha é corroteirista. E já que o script do longa foi recentemente premiado no Festival do Rio, pré-estreias, red carpets, entrevistas e afins devem aparecer aos montes – logo, looks viraram uma questão presente em seu dia a dia. “Não sou amiga de tantos estilistas e nem costumo chamar stylists para me vestir. Gosto de escolher o que vou usar nos eventos”, revela. Para aguçar a criatividade, ela tem o hábito de ler revistas e jornais e de guardar as referências. Com as imagens que mais gosta, faz um mural que fica em seu escritório. “É uma coisa meio adolescente, mas me ajuda a entrar em alfa”, se diverte. A seguir, mais detalhes do scrapbook de Martha.

Pipoca

“Curto cinema de musa! Todos os de Jean-Luc Godard com Anna Karina! Todos os de Ingmar Bergman com Liv Ullmann”

Viagens

“Para o México, na minha lua de mel. Para a Bahia, no fim de ano, e para o Uruguai com o Charly Braun. Ah, e Paris, sempre”

Pessoas que inspiram

“Minha avó, Dorina Nowill”

Livros

“Monteiro Lobato,  quando se tem 10 anos. Todos os de poesia de Carlos Drummond de Andrade, quando se tem 20, e Virginia Woolf, aos 30! Ainda não cheguei aos 40…”

Arte

“‘É uma garantia de sanidade’, disse Louise Bourgeois”

Música

“The Mamas & the Papas, Gilberto Gil e Franz Schubert”