05.03.2019  /  7:59

Ataques de cyberbullies contra a família real resultam na criação de força-tarefa e poderão render até prisão

Kate Middleton e Meghan Markle || Créditos: Getty Images

Os constantes ataques de cyberbullies e “trolls” virtuais nas redes sociais da realeza britânica, quase sempre tendo como alvo Meghan Markle e Kate Middleton, forçaram o lançamento de uma verdadeira força-tarefa para tratar do problema. Nessa segunda-feira, o Palácio de Kensington e a Clarence House – respectivamente a residência oficial que Markle e Middleton dividem com seus maridos, os príncipes Harry e William, e a residência oficial do príncipe Charles, pai dos dois -, divulgaram novas diretrizes para os assessores reais que cuidam dos perfis oficiais mantidos pela família real do Reino Unido na internet, a fim de que se crie um ambiente virtual mais seguro e saudável para todos.

Uma das regrinhas que a partir de agora passarão a valer tem a ver com os comentários deixados nestes canais online, que serão deletados caso sejam considerados ofensivos ou inapropriados, e seus autores poderão ser bloqueados – esse tipo de ação era evitado até então, já que poderia classificar cerceamento da liberdade de expressão dos súditos. E nos casos mais sérios, como aqueles que envolvem declarações racistas ou misóginas, a Scotland Yard (a polícia britânica) deverá entrar em ação para localizar os suspeitos por trás desses tipos de crimes de ódio e, se for o caso, prendê-los.

O que mais tem irritado os “royals”, principalmente os mais velhos, é o fato de que tanto Markle quanto Middleton são tratadas pelo público como celebridades, com suas próprias bases de fãs guerreando entre si e tudo. Tá certo que o pouquinho de Hollywood que a ex-atriz trouxe consigo quando se tornou uma deles foi positivo, mas é fundamental, pensam essas cabeças coroadas, que ninguém jamais esqueça as funções de estado que ambas têm e pelas quais merecem ser tratadas com um pouquinho mais de seriedade. (Por Anderson Antunes)