10.03.2018  /  9:00

Alice Wegmann direto do set na Paraíba: “Sou simples… Me joga numa pista de dança pra ver”

Maria ( Alice Wegmann ) Créditos: Globo/ Estevam Avellar

Alice Wegmann, pupila da nova geração de atores da Rede Globo, volta às telinhas no dia 23 de abril como Maria na supersérie “Onde Nascem os Fortes”uma história de amores impossíveis, ódio e perdão que tem como cenário o impiedoso sertão da Paraíba. Na trama, Maria é irmã gêmea de Nonato, personagem vivido por Marco Pigossi. Os dois vivem em Recife e fazem uma viagem à fictícia cidade de Sertão, terra natal da mãe deles, a engenheira química Cássia interpretada por Patricia Pillar, em busca de novas trilhas de mountain bike. Seu par romântico da história de George Moura e Sergio Goldenberg será Hermano (Gabriel Leone).

Para o papel, Alice precisou interromper o último mês que faltava para concluir o curso de Comunicação Social na PUC-Rio e se jogou no sertão nordestino, onde passou dois meses consecutivos na primeira etapa das gravações e agora passa mais dois na segunda e última etapa do projeto. E é direto da Paraíba que Alice divide com o Glamurama detalhes dessa experiência, fala do novo visual adotado para viver a personagem, dos textos engajados que ela posta como uma porta-voz da juventude em seu Instagram, para seus mais 2 milhões de seguidores, e os distúrbios alimentares que já enfrentou. Alguém diz que ela só tem 22 anos?

Glamurama: Qual sua expectativa sobre a aceitação de Maria, sua personagem em “Onde Nascem os Fortes”? E da série?
Alice Wegmann:
“Eu gosto de me surpreender com a reação do público, prefiro não ficar esperando tanto… Mas acho que vai ser bem impactante. É raro ver papeis como esses escritos pra mulheres na televisão, então acho que ela vai chegar dando uns sustos. A nossa série é cheia de drama, mas carrega de tudo um pouco. Tenho certeza que vai deixar todo mundo ansioso pelo capítulo seguinte, porque prende, tem personagens muito fortes e ótimos ganchos.”

Glamurama: Como foi sua preparação para viver Maria?
Alice Wegmann:“Eu basicamente não tive preparação. Foi chegar e fazer. E foi o melhor jeito, porque Maria é impulsiva, intuitiva, é uma menina muito mais coração do que razão e movida pelo amor. Cheguei aqui de peito aberto e cheia de vontade. O Zé Villamarim, diretor da série, me ligou num sábado à noite e na segunda feira já estava aqui no sertão. Foi tudo muito rápido, mas acho que foi a melhor forma pra deixar Maria entrar. Na verdade, ela sempre esteve aqui dentro. Tem muito de Maria na Alice e vice-versa.”

Glamurama: Em que você se identifica com ela?
Alice Wegmann:“Na força e na coragem, principalmente. E no amor. Maria vive sem pão e sem água, mas sem amor, não. Eu não tomaria algumas atitudes que ela chega a tomar, mas temos muito em comum.”

Glamurama: O que você achou do Cariri da Paraíba?
Alice Wegmann:“É maravilhoso poder se adentrar no Brasil profundo, entender esse lugar além dos filmes. As pessoas são simples e têm muito pra dar, são receptivas. O lugar é seco, duro, mas há muita alegria na cidade. É bonito ver as pessoas preservando essa leveza.”

Glamurama: Como foi passar essas temporadas por lá?
Alice Wegmann:“Foi engrandecedor. O sertão passa mesmo a morar dentro da gente. Na primeira vez, fiquei dois meses aqui; e agora serão mais dois meses. Quando voltei, ao acordar e sair do quarto no primeiro dia, percebi o quanto sentia falta desse lugar. Abrir a porta, sentir o vento, ouvir os passarinhos…”

Glamurama: Fale mais dessa experiência.
Alice Wegmann: “Os dias de gravação são bem intensos, principalmente porque são cenas de ação e bastante drama num calor forte. O pôr do sol daqui sempre compensa, porque é de uma lindeza infinita, e cada dia de um jeito. Eu nunca vi tanto pôr do sol na vida. E isso renova as energias… Fui muito ao Lajedo de Pai Mateus, que considero um lugar sagrado para recuperar as forças. Dormimos cedo, de vez em quando abrimos um vinho, botamos uma música no hotel e dançamos… formamos uma família aqui.”

Glamurama: Como é ter Marco Pigossi como irmão, Gabriel Leone como namorado e Patrícia Pillar como mãe?
Alice Wegmann: “Eu já conhecia os três, só não tinha trabalhado com o Gabe (Gabriel Leone)… Batemos na trave várias vezes, quase trabalhamos juntos umas três vezes antes desse encontro aqui. São pessoas que admiro e aprendo muito – em cena e fora delas. Quando fui chamada para fazer Maria naquela correria toda, estava aliviada por saber que trabalharia com eles. Me deixou mais confiante.”

Maria (Alice Wegmann) e Nonato (Marcos Pigossi), irmãos em “Onde Nascem os Fortes” || Créditos: Divulgação TV Globo

Glamurama: O romance de vocês passa por difíceis obstáculos. Você é do tipo que luta até o fim ou desencana rápido?
Alice Wegmann: “Eu desencano de quem eu sei que não vale a pena, mas adoro estar apaixonada e acho que a vida faz mais sentido assim. Então, sou das que insistem.”

Glamurama: Você publica textos profundos no Instagram. Como artista, se sente na obrigação de influenciar os outros?
Alice Wegmann:
“Não vejo como uma obrigação, mas é muito bom poder dar voz ao que importa. O movimento feminino, por exemplo, me inspira e me faz querer inspirar outras pessoas. Atualmente, me param até no meio da pista de dança nas festas para agradecerem pelos meus textos… e isso me emociona muito. Não tenho ambições como escritora, mas tenho simpatia pelas palavras e por sentimentos – não é à toa que trabalho com isso. Então tento usar isso como vantagem, para trazer mais leveza para o mundo.”

Glamurama: Você já dividiu com seus seguidores que sofria de um distúrbio alimentar por se achar acima do seu peso. Você ainda sofre com isso ou é algo superado?
Alice Wegmann: “Tenho trabalhado a alimentação intuitiva e minha relação com meu corpo está bem melhor do que antes. Não estou na minha fase mais magra, mas estou na melhor fase comigo mesma.”

Glamurama: Você está linda com cabelo “joãozinho”. Pretende manter o corte depois das gravações ou vai deixar crescer?
Alice Wegmann: “Nunca tive e sempre quis ter. Adoraria deixar ele curto por um tempo. Tudo depende dos próximos trabalhos. É prático, moderno, eu amo!”

Glamurama: De qualquer maneira, prefere ter cabelo curto ou comprido?
Alice Wegmann: “Curto. Tem mais a ver com a minha personalidade”.

Glamurama: Quais são seus próximos projetos – TV, cinema, teatro?
Alice Wegmann: “Preciso terminar a faculdade ainda esse ano. A prioridade é essa assim que as gravações de “Onde Nascem os Fortes” acabarem.

Glamurama: Como é a Alice fora das telas?
Alice Wegmann:
“Sou uma pessoa simples. Me joga numa pista de dança com música brasileira que você vai entender. Sou do Carnaval da Bahia, pé na areia, sou do mar, de Caetano e Gil, levo a vida com leveza e otimismo, e enxergo muito mais as qualidades dos outros do que os defeitos. Tenho buscado cada vez mais ser de verdade. Eu adoro viver.” (Por Julia Moura)