27.09.2019  /  7:37

Acordo com a Netflix poderá render a Jerry Seinfeld sua entrada no seleto clube das celebridades bilionárias

Jerry Seinfeld || Créditos: Reprodução

Dono de uma fortuna estimada em US$ 800 milhões (R$ 3,33 bilhões), Jerry Seinfeld poderá se tornar em breve o primeiro ator bilionário em dólares da história graças ao acordo que assinou recentemente com a Netflix para ceder os direitos de exibição da sitcom que leva seu sobrenome e o tornou uma das celebridades mais bem pagas do mundo nos anos 1990. A parceria custou à gigante do streaming estimados US$ 500 milhões (R$ 2,08 bilhões), mas “apenas” um quinto desse valor de fato foi para a conta do comediante (e a mesma quantia foi embolsada por Larry David, sócio dele na série icônica), sendo que o restante deverá ser dividido entre pagamentos a outros produtores e de impostos.

Acontece que ter “Seinfeld” no cardápio da Netflix só servirá para aumentar as receitas da atração com aquilo que realmente rende dinheiro aos dois, que é o chamado “syndication”, um sistema de reprises altamente lucrativo que praticamente só existe nos Estados Unidos e permite a negociação direta entre os donos desses programas que marcaram época e os canais de televisão que desejam exibi-los.

Frise-se que “Seinfeld”, que ficou no ar entre 1989 e 1998, já é a campeoníssima nesse quesito, com mais de US$ 3,5 bilhões (R$ 14,6 bilhões) faturados em syndication, um recorde. E tudo isso sem levar em conta as outras fontes de renda de Seinfeld, que costuma viajar pelos EUA para fazer shows de stand-up comedy e, só com isso, leva pra casa mais de US$ 40 milhões (R$ 166,5 milhões) todos os anos.

Em tempo: Oprah Winfrey, Kilye Jenner, Steven Spielberg, George Lucas, Michael Jordan e Jay-Z são as únicas celebridades que conseguiram construir fortunas iguais ou superiores a um bilhão de dólares até hoje. Criadora da saga Harry Potter, a britânica J.K. Rowling também fez parte desse seleto clube tempos atrás, mas acabou perdendo o título de bilionário depois de fazer várias doações pra lá de generosas para as causas que apoia. (Por Anderson Antunes)