16.08.2017  /  10:52

A linha do tempo do estilo de Madonna no dia em que a musa completa 59 anos

Da esquerda à direita, linha do tempo do estilo de Madonna dos anos 1980 até hoje || Créditos: Reprodução Instagram e Dimitrios Kambouris/Getty Images

Madonna, a lenda viva do showbiz, completa nesta quarta-feira 59 anos. Glamurama, fã de carteirinha da musa, a homenageia com uma linha do tempo de seu estilo, traçada desde o início de sua carreira, no anos 1980, até os dias de hoje. Madonna sempre foi aberta a vestir estilistas diversos, conhecidos ou não do mainstream. O que se conclui com a cronologia fashion da Material Girl, é que ela vai adicionando ao seu estilo tudo o que usa ao longo dos anos, chegando a um mix cheio de referências e único. Espia só!

Anos 1980 

Da esquerda à direita: Madonna por Richard Corman em 1983, por Georges Holtz em 1984 e no American Music Awards em 1985 || Créditos: Reprodução Instagram

Na década de 1980, quando lançou, em 1983, o disco de estreia de sua carreira solo – “Madonna”, ela já começou a influenciar o público feminino com seu estilo. Há quem diga que seu visual da época, composto por tops de renda, saias sobre calças capri e meia arrastão combinados a crucifixos, pulseiras e cabelos descoloridos, foi cria do estilista e designer de joias Maripol. Foi naquela década, em 1985, que Madonna fez sua primeira turnê pelos Estados Unidos, a “The Virgin Tour”, com os Beastie Boys abrindo grande parte dos shows. Pelos espetáculos, fileiras de meninas usando saias de filó e calças capri, luvas de renda, rosários, laços no cabelo e brincos de argola – ícones do estilo de Madonna naquele período. Como esquecer? Entre os anos 1985 e 1989, foi casada com Sean Penn.

Anos 1990 

Da esquerda à direita: Madonna em 1993, ela em show da “Blond Ambition Tour”, em 1990, com corset criado por Jean Paul Gaultier e em ensaio por Steven Meisel em 1991 || Créditos: Reprodução Instagram

Nos anos 1990, ela já era a dona do pedaço. Sua turnê “Blond Ambition World Tour”, com danças provocantes e o objetivo de quebrar tabus inúteis, foi considerada pela “Rolling Stone” como a melhor turnê daquela década. Foi no figurino do espetáculo que Madonna usou o icônico corset com sutiã em forma de cone criado por Jean Paul Gaultier. Com sua performance de “Like a Virgin”, durante a qual dois bailarinos acariciaram seu corpo, incomodando a Igreja Católica. O Papa João Paulo II, através de fiéis, mobilizou o público em geral e a comunidade cristã a não comparecer aos shows. Naquela década, imagens provocantes foram sua marca registrada.

Da esquerda à direita, Madonna clicada por Herb Ritts em 1990 e por Wayne Maser em 1994 || Créditos: Reprodução Instagram

O erotismo ganhou força quando Madonna embarcou na turnê “The Girlie Show”, em 1993, onde se vestia como uma dominatrix cercada por dançarinas de topless. Em presenças em programas de TV, não perdia a oportunidade de usar palavrões. No cinema, participou de filmes com sexo explícito e lançou o livro “Sex”, com fotos pornográficas, incluindo sadomasoquismo, por Steven Meisel. Tudo isso levou críticos a referirem-se a Madonna como uma renegada sexual e afirmarem que “ela tinha ido longe demais”. Só que não…

Da esquerda à direita, Madonna em clique de divulgação do CD “Ray of Light”, em 1998, e no Who’s That Girl World Tour em 1987 || Créditos: Reprodução Instagram

Anos 2000 

Da esquerda à direita: Madonna em 2001, na “Sticky & Sweet Tour”, em 2008, e na Confessions Tour, em 2007 || Créditos: Getty Images/Reprodução Instagram

Com a virada do milênio, Madonna deixou seu lado maternal falar mais alto. Foi mãe de Lourdes Maria em 1996, e quatro anos depois veio Rocco. Apesar de seu relacionamento com o cubano Carlos Leon, pai de Lola, não ter durado muito, seu casamento com Guy Ritchie perdurou de 2000 a 2008. Após o nascimento da primogênita, Madonna começou a manifestar interesse pelo misticismo oriental da Cabala, para o qual foi apresentada pela atriz Sandra Bernhard, em 1997. O seu sétimo álbum de estúdio, “Ray of Light”, refletiu esta mudança em sua percepção e imagem. Seu estilo nesta década foi muito mais contido, mas ainda com presença de ousadia em doses muito menores. Madonna adotou também o estilo esportivo e conquistou o corpo musculoso.

Anos 2010

Da esquerda à direita: Madonna com vestidos Givenchy nos galas do MET de 2015 e 2016, respectivamente, e a artista durante apresentação em homenagem a Prince no Billboard Music Awards 2016 || Créditos: Getty Images
À esquerda, Madonna no gala do MET 2017 com look militar by Jeremy Scott. À direita, a musa no Grammy 2015 || Créditos: Getty Images

De lá pra cá Madonna, como toda mulher, amadureceu seu estilo. Acontece que, em se tratando dela, a maturidade chegou trazendo um processamento de tudo aquilo que ela já usou ao longo de sua carreira. A idade também trouxe à Madonna engajamento político latente. Ela nunca foge à uma luta social e, vira e mexe, explora seu visual a favor de suas causas. Um exemplo é quando foi ao gala do Metropolitan, em 2016, a bordo de produção com bumbum e seios à mostra, look criado para ela pela Givenchy. Na ocasião, Madonna disse em seu Instagram que o look tinha como viés “declaração política” em prol da luta contra a ideia de que mulheres deixam de ser sexy a partir de certa idade.  

*Madonna nasceu em Bay City, Michigan, em 1958. Mudou-se para Nova York em 1977 para seguir carreira na dança moderna. Antes de tocar sua carreira solo, fez parte dos grupos musicais Breakfast Club e Emmy. Seu primeiro CD foi lançado em 1983 e hoje ela conta com 13 álbuns de estúdio. Ao longo de sua carreira, foi elogiada pela produção diversificada de músicas, engajadas para chamar atenção para controvérsias religiosas e sexuais.