24.09.2020  /  10:40

5 filmes de Pedro Almodóvar que revelam um pouco da personalidade do cineasta espanhol

Pedro Almodóvar || Créditos: Reprodução

Pedro Almodóvar é o tipo de pessoa que odeia envelhecer. Aniversariante desta quinta-feira, em que completa 71 primaveras, o cineasta espanhol já disse em várias ocasiões que a única coisa que mudou em sua vida com o passar dos anos foi a própria aparência. “Continuo tendo os mesmos desejos de quando era jovem, mas meu corpo já não é o mesmo”, ele declarou tempos atrás.

Um dos nomes mais respeitados do cinema na atualidade, Almodóvar trata disso em muitos de seus filmes e sobretudo em “Julieta”, que lançou em 2016. A produção aborda uma crise de meia idade da personagem título, que reflete sobre como certas decisões do passado afetaram sua vida atual – mais autobiográfico, impossível.

Em homenagem ao responsável por clássicos como “Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos” e, mais recentemente, “Fale com Ela” e “Volver”, Glamurama relembra 5 outros longas de Almodóvar, que em breve começara a rodar seu primeiro “western”, e que revelam um pouco de sua personalidade digna de ser retratada na telona. Continua lendo… (Por Anderson Antunes)

Créditos: Reprodução

“Pepi, Luci, Bom” (1980)

Primeiro filme profissional dirigido por Almodóvar, foi rodado com apenas 400 mil pesetas (equivalentes a pouco mais de US$ 50 mil/R$ 279,2 mil). Inspirado no movimento de contra-cultura La Movida Madrileña, que começou a tomar forma a partir de meados dos anos 1970 e revolucionou o ambiente artsy da Espanha, aborda as histórias de personagens tão distintos quanto como uma dona de casa masoquista, uma roqueira lésbica e um policial corrupto. Circular em meios onde figuras dos mais variados tipos estejam presentes sempre foi uma prioridade para o diretor, que costuma fazer isso até hoje por motivos pessoais e profissionais.

Créditos: Reprodução

“Matador” (1986)

O sucesso que Almodóvar conquistou no começo dos anos 1980 chamou a atenção do produtor espanhol Andrés Vicente Gómez, que o contratou para dirigir o filme que aborda o relacionamento controverso de um toureiro com uma advogada. A trama foi considerada ousada para a época, com temas como sexo, morte e religião abordados ao mesmo tempo, e mostrou um lado mais “dark” dele. “A moral por trás de todos os meus filmes é a busca constante pela liberdade suprema”, o cineasta disse na época.

Créditos: Reprodução

“Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos” (1988)

Difícil falar de Almodóvar sem mencionar o filme que o consagrou internacionalmente. De temática feminista e repleto de diálogos afiados, foi sucesso de público e de crítica e fez dele um “diretor de mulheres” dos mais prestigiados até hoje. Aliás, o diretor prefere dirigi-las e já explicou o motivo. “Mulheres rendem histórias melhores, mais fortes. Elas são espetacularmente mais dramáticas e sensíveis”, ele disse certa vez. Almodóvar também já eixou claro que suas personagens femininas são, muitas vezes, retratos de sua própria vivência.

Créditos: Reprodução

“Tudo Sobre Minha Mãe” (1999)

A despedida de Almodóvar dos anos 1990 foi totalmente dedicada aos temas familiares que ele já havia abordado no passado, em especial o luto pela perda de pessoas próximas. O filme de fotografia perfeita teve cenas gravadas em Barcelona, que é praticamente uma atração à parte. O humor negro também está presente, e um de seus melhores momentos é a cena em que Agrado – uma transexual em fase de transição – fala sobre o próprio corpo. “Você se torna mais autêntico a medida que consegue conquistar a imagem de si mesmo que sempre sonhou”, diz a personagem em uma cena antológica.

Créditos: Reprodução

“Julieta” (2016)

O filme mais recente de Almodóvar é também, de acordo com o próprio diretor, o mais autobiográfico dele. Emma Suárez e Adriana Ugarte interpretam as versões jovem e atual da personagem título, respectivamente, que têm atitudes parecidas com as do diretor. Basicamente, é uma sessão no divã na frente do público, com ponderações sobre a vida como ela é e como poderia ter sido. “Minha solidão e isolação [social] é resultado de tudo que vivi. E meus filmes refletem isso, cada vez mais e mais”, Almodóvar revelou na época de divulgação do longa.