01.06.2018  /  9:00

5 curiosidades sobre “Sgt. Pepper’s…”, o álbum dos Beatles que revolucionou a música

Ringo, John, Paul e George || Créditos: Reprodução

Para muitos americanos fãs da boa música, o dia 1º de junho de 1967 é considerado uma data histórica. Também pudera, já que foi há exatos 51 anos que os Beatles lançavam, nos Estados Unidos, o álbum que é considerado por muitos o mais icônico da carreira do quarteto britânico: “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band”, que chegou às prateleiras do Reino Unido dias antes sendo aclamado por críticos como “inovador” e altamente representativo para toda uma geração. Vencedor de quatro Grammys em 1968, inclusive o de Melhor Álbum do Ano, de quebra ainda se tornou o primeiro LP de rock a receber a honraria.

Os mais entusiasmados dizem até hoje que “Sgt. Pepper’s…” é tão bom que não pode ser considerado como um mero trabalho pop, mas sim como uma obra de arte à altura da Mona Lisa de Leonardo Da Vinci ou até mesmo de certos clássicos de Mozart, Beethoven e Vivaldi, três dos maiores gênios da música em todos os tempos.

E, claro, vendeu horrores – 32 milhões de cópias, para ser exato – de acordo com a mais recente contagem, feita em 2011. Nos arquivos da Oxford University, “Sgt. Pepper’s…” aparece como “o mais importante e influente álbum de ‘rock and roll’ já gravado.” E parece ter sido muito bem planejado, justamente para ser lembrado exatamente assim.

A seguir, Glamurama lista cinco curiosidades sobre a concepção do maior manifesto de John Lennon, Paul McCartney, Ringo Starr e George Harrison. Continua lendo… (Por Anderson Antunes)

Tudo junto e misturado || Créditos: Reprodução

A capa de Robert Fraser

O elemento gráfico que mais chama atenção no álbum certamente é sua capa, na qual os Beatles dividem o protagonismo com fotos de personalidades de todas as áreas. Bob Dylan e o ocultista britânico Aleister Crowley aparecem ao lado de Fred Astaire e do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, e foi por pouco que Jesus Cristo e até Adolf Hitler não foram incluídos no layout final. Responsável pela imagem, o diretor de arte Robert Fraser também colocou na foto um letreiro com o nome da banda feito com flores e pés de maconha.

“A Banda do Clube dos Corações Solitários do Sargento Pimenta” || Créditos: Reprodução

O enigma do título

O nome escolhido para o álbum também tem um significado todo especial, já que de certa forma indica o começo do fim dos Beatles como conjunto. Isso porque a “Banda do Clube dos Corações Solitários” do título representa os alter egos de Lennon, McCartney, Starr e Harrison, que na época decidiram mudar de ares para focar em trabalhos individuais com maior liberdade de criação. A ideia era que cada um tivesse mais independência pelo benefício de todos, mas apesar de simbólica acabou se tornando o pontapé inicial para a separação deles, anunciada em 1970.

McCartney no estúdio: ele cuidou de todos os detalhes do álbum || Créditos: Reprodução

O “laboratório” de McCartney

McCartney acabou se tornando o membro do quarteto que mais se deu bem como artista solo. E isso já ficou evidente na produção de “Sgt. Pepper’s…”, cuja maioria dos singles ele assinou junto com Lennon, incluindo a faixa título. O pai de Stella McCartney praticamente assumiu as rédeas da produção do álbum, e inclusive foi ele quem pensou no título enigmático. A verdade é que McCartney sempre foi mais ligado em questões de mercado do que os colegas e percebeu antes de todos que teria mais chances de continuar em alta se ficasse sozinho.

É isso mesmo, produção? || Créditos: Reprodução

As iniciais polêmicas de um hit

Difícil falar de “Sgt. Pepper’s…” sem mencionar “Lucy in the Sky with Diamonds”. Composto por Lennon depois de ver um desenho que o filho, Julian, fez de uma coleguinha chamada Lucy, o hit foi desde o lançamento associado ao LSD, do qual empresta as iniciais, ao ponto de ter sido banido pela BBC. Os Beatles sempre negaram isso, mas sabe-se que Lennon usou a droga alucinógena durante as gravações do álbum e em certa ocasião chegou a olhar para o céu por minutos, fascinado com a beleza das estrelas, de acordo com um relato do produtor George Martin.

O quarteto reunido depois do fim das gravações || Créditos: Reprodução

Sacadas do começo ao fim

Com quase 40 minutos, o álbum termina e começa com uma música de mesmo nome, porém em versões diferentes. Isso foi uma sacada dos Beatles para dar ao trabalho um ar de clássico, como se fosse um concerto com um mestre de cerimônia aparecendo só na abertura e no fechamento das cortinas. O mestre de cerimônias é o tal do “Sargento Pimenta” do título, e os artistas são – claro! – Lennon, McCartney, Starr e Harrison. E olha que este último nunca gostou muito de “Sgt. Pepper’s”, por considerá-lo “fraquinho”. Dá pra acreditar?