Créditos: Jairo Malta
Papai está preso ||  Créditos: Jairo Malta

Por Paulo Sampaio para a revista PODER de dezembro

A ruína do herói. É assim que a psiquiatra Lee Fu-I define o sentimento dos filhos de políticos, de banqueiros e de empreiteiros arrastados de casa repentinamente nas operações da Polícia Federal. Coordenadora do Programa de Transtornos Afetivos na Infância e na Adolescência do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP), Lee diz que a criança pode reagir com isolamento, estresse e depressão. A primeira providência, diz ela, é o acolhimento. Com 30 anos de experiência na área, a psiquiatra fala da importância de preservar a criança, ou adolescente, de manifestações agressivas. Eventualmente, o ideal é isolá-lo, para protegê-la, inclusive, do boicote dos adultos ligados aos colegas do colégio. No entender da médica, deve haver envolvimento da escola, esclarecimento das mães e fortalecimento das relações entre as crianças.

Créditos: Divulgação
A psiquiatra Lee Fu-I Créditos: Divulgação

PODER: Que providências tomar em relação ao filho, no momento da prisão do pai? Digamos que a Polícia Federal tenha entrado na casa de manhã cedo, com um certo aparato, e vasculhado tudo, antes de levá-lo?

LEE FU-I: Caso não tenha um cuidador já designado, a mãe, a avó, uma tia, ou no impedimento desse (a mãe também foi presa ou está tomando providências para libertar o marido), é importante saber se haverá alguém para exercer essa função (padrinhos, avós, amigos, vizinhos, professores, amigos…).

PODER: Quais seriam os “primeiros socorros”?

LFI: Antes de tudo, o acolhimento. O cuidador deve observar o comportamento da criança para verificar o que mudou. Ela está assustada? Ansiosa? Monossilábica? Se houver recusa na comunicação, é preciso investigar se ela tomou conhecimento do fato de forma indireta (acesso a noticiário, mídias sociais etc.). Em todo caso, é importante tentar fazer a criança compreender as informações recebidas, escutá-la com paciência, sem aparentar julgamento, censura ou correção. Isso deve auxiliar na análise do juízo de valor (meu pai foi injustiçado/meu pai foi perseguido/meu pai mereceu porque não agiu corretamente). No mais, é importante garantir que a criança exerça suas atividades rotineiras, e avaliar ambientes e situações potencialmente de risco (exposição a comentários e bullying, por exemplo); traçar previamente planos protetivos, criando trajetos alternativos para evitar locais onde há jornalistas e promover contato com pessoas, objetos ou situações que lhe ofereçam segurança (uma mensagem ou ligação dos avós na hora das refeições ou de dormir). Na escola, assegurar o acesso a professores ou coordenadores em caso de hostilidade.

PODER: Que tipo de reação a criança/adolescente pode ter à informação repentina de que o pai foi preso?

LFI: Mudanças rápidas podem provocar alterações emocionais e de comportamento que nunca haviam sido experimentadas antes. Muito provavelmente, a criança/adolescente não saberá como lidar com elas e pode resistir a reconhecer que esteja alterado – além de haver dificuldade em pedir ajuda.

PODER: Quais as alterações possíveis?

LFI: Manifestação de tristeza, choros frequentes, isolamento de amigos e/ou familiares, perda de interesse por atividades que antes adorava.  Eventualmente, observam-se consequências psicomotoras, como inquietude e hiperatividade: para não pensar no assunto, a criança passa o dia jogando videogame. Além de transtornos de estresse pós-traumático ou depressão. À noite, pode haver dificuldade para pegar no sono, assim como sobressaltos por causa de reações de hipervigilância (como se corpo e mente ainda estivessem esperando imprevistos). À mesa, alteração de apetite: perder a fome, ou comer demais “para preencher o vazio”.

PODER: E no comportamento?

LFI: Podem sobrevir atitudes que desafiem as regras legais/domiciliares/escolares. Exemplos: se papai está preso, então o que ele me ensinou  estava errado. Ou: se ele está preso, não tem quem me controle. Há ainda o que se define como comportamento disruptivo, que se revela em rompantes além do que é esperado para idade e nível sóciocultural, e que incomoda quem está ao redor.

PODER: E no adolescente, o que muda?

LFI: De forma geral, os procedimentos para preservar o adolescente têm os mesmos objetivos, mas de acordo com a faixa etária a forma e o vocabulário utilizados devem ser modificados. Como os adolescentes têm mais autonomia, podem ter opinião formada sobre o tema.

PODER: Como preservar o adolescente de comentários agressivos nas redes sociais?

LFI: Viajar para fora do país pode ser uma opção. O cuidador deve tomar decisões no sentido de isolar o adolescente para protegê-lo. O acolhimento deve ocorrer no local mais confortável e seguro possível para ele. Mas, isolado ou não, cabe ao cuidador tentar filtrar, acompanhar ou combinar o compartilhamento de informações  para evitar distorções de entendimento, porque isso pode provocar uma exposição ainda maior.

PODER: Imagina-se que haja casos em que a mãe tenta eximir o pai (preso) da responsabilidade pelo crime. Usa argumentos como “a culpa é da Polícia Federal”, ou “o governo é que é corrupto” etc. 

LFI: As respostas do cuidador para a criança são decisão pessoal. Tenho a impressão de que os adultos que não sabem o que fazer e percebem isso – seriam mais saudáveis mentalmente, pois reconhecem as próprias dificuldades – pedem socorro de familiares, amigos confiáveis, escola etc. Aqueles que já têm resposta “na ponta da língua” tendem, por impulso, a desvirtuar a realidade – uma maneira de proceder que pode implicar no desenvolvimento (da criança) com base em uma realidade distorcida. Isso prejudicaria a construção do caráter (temperamento nato + lapidagem pelo meio ambiente) e noções de valores e juízo da realidade. Embora o isolamento tenha como objetivo proteger a criança, recomenda-se que o cuidador não fique alienado. É importante prestar atenção ao que acontece ao redor para planejar alternativas de proteção: o que pode acontecer, por exemplo, na relação com um colega da escola cujo pai esteja do outro lado do processo (o embate investigado x delator)?

PODER: Como proceder diante do bullying das mães das outras crianças (boicote a festinhas)?  

LFI: A situação de “ninguém vai vir” ou “ ninguém veio” a minha festa é um estressor clássico. A criança que tem uma percepção parcial disso (por exemplo: um amigo contou que tem gente pensando em não ir à festa), deve ser preservada. Ao perceber que existe a possibilidade de expô-la a momentos desagradáveis, o melhor é suspender a festa, por mais que seja uma decisão difícil. Uma solução é trocar a comemoração por uma comemoração mais familiar, ou uma viagem.

PODER: A escola dever ser comunicada do boicote? Existe a possibilidade de fazer um reforço pelo lado das crianças, fortalecendo a relação entre elas?

LFI: Infelizmente, esse tipo de bullying eventualmente ocorre sem que a escola tome conhecimento. Mas caso tome, os profissionais da instituição devem tentar orientar as mães sobre a inadequação desse comportamento. Pode haver quem se recuse a aceitar isso, alegando que quer dar ao filho uma educação baseada  no que elas consideram correto – distante de criminosos. Nesse caso, a escola deve promover diálogos e discussões sobre amizade (cofiança no amigo) x individualidade (preso o pai, o filho não tem culpa), valorizando a noção de lealdade.

PODER: Existem maneiras de estimular as crianças a fortalecer os laços que existem entre elas?

LFI: Se há vínculos estabelecidos antes do acontecimento, em geral, as crianças querem participar, comparecer. Nessas ocasiões, há possibilidade de observar se há demonstrações de tolerância (“não importa de quem você é filho, nós gostamos de você”); lealdade (“vim te fazer companhia, ver como você está”); educação (“papai não queria, mas mamãe prometeu me trazer, então, vim”). Infelizmente, as crianças não vão a festas sozinhas nem sem autorização de seus responsáveis legais. Os adolescentes, nesse ponto, apesar de serem capazes de aplicar bullying mais cruéis, têm autonomia para decidir e se manifestar.

PODER: Subentende-se que, nesses casos, a escola deveria ter uma posição política neutra.

LFI: O pior que pode ocorrer é quando parte dos docentes tem posições  políticas radicais, inflexíveis, e participa de forma velada do bullying. Acontece tanto em escolas pública como em particulares.

PODER: O dinheiro ajuda?

LFI: É bom lembrar que, embora a criança rica tenha mais recursos para ser isolada – em Miami, na Suíça, em um colégio interno – a perda é igual para todas. A sensação de ruína (do herói) é a mesma.

PODER: Quando os adultos não têm condições emocionais de acolher a criança/adolescente, a quem devem recorrer?

LFI: Os profissionais da saúde mental são os mais apropriados, já que são treinados para se manter imparciais. Caso não consigam, por ter uma postura política conflitante, por exemplo, melhor indicar outro profissional.

PODER: Em que o bullying ao filho do pai preso difere dos outros (raça, condição física, orientação sexual)?

LFI: Nos outros casos, o objeto é claro e, então, a criança sabe o que deve enfrentar e o que pode fazer. Ela tem condição de selecionar os objetivos a serem superados em cada momento do seu desenvolvimento. Nossas atletas olímpicas negras ou chinesas (Wu Minxia foi chamada de japonês: “japonês é tudo igual”) ou os nossos atletas de paraolimpíadas são exemplos disso.  Agora, sofrer bullying por uma condição em que se desconhece a motivação ou em que não se reconhece como pertencente a ela aumenta a sensação de impotência, de desesperança. Não se sabe qual pode ser o desfecho  (por exemplo: papai prometeu que voltaria em seis meses, mas está preso há dois anos). Ainda pode haver o sentimento de culpa (papai guardou dinheiro para me dar uma vida boa, e agora está preso por causa disso).