15.03.2017  /  11:50

Mariana Aydar abre produtora de áudio que liga cena indie a marcas

Mariana Aydar de olho em novos projetos || Créditos: Reprodução Instagram
Mariana Aydar de olho em novos projetos || Créditos: Reprodução Instagram

Depois de se arriscar como diretora no documentário “Dominguinhos Volta e Meia” (2014), a cantora Mariana Aydar volta aos bastidores. Em março ela abre a produtora de áudio Brisa, mirando os mercados de publicidade, cinema, TV e internet. Tendo a música como foco, a proposta é trazer um frescor para essas áreas a partir da associação com músicos da cena independente e da criação de composições originais com assinatura para marcas que, de alguma forma, dialogam com a arte.

O projeto foi idealizado em parceria com o produtor e multi-instrumentista Marcio Arantes e a empresária Helô Aidar, que além de produtora – ela é empresária da cantora Tulipa Ruiz) – também distribui artistas importantes a exemplo de Criolo. Não é à toa que marcas como Natura, T.Ishida e Farm já estejam na lista de clientes.

Para a Farm, marca carioca conhecida pelas estampas, Mariana e Marcio criaram a música “Sol e Lua”, inspirada na lenda nipônica Tanabata. A canção fala sobre um casal de namorados que, obrigado a viver em lados opostos da Via Láctea, consegue se reencontrar somente uma vez por ano, sempre no sétimo dia do mês do calendário lunar, como as estrelas Vega e Altair. A música foi adotada como trilha oficial da nova coleção, um mix de Japão pop e Carnaval.

FARM_2017 from brisa_sons_ideias on Vimeo.

Para a T. Ishida, o trabalho também foi de criar uma trilha para a nova coleção. Como a linguagem do filme seguia para os anos 1990, a criação da Brisa bebeu nessa fonte: uma mistura do grunge dos Pixies e do Nirvana com o trap e o hip-hop americano que resultou na composição “Deep inside in my heart”.

t.ishida_2016 from brisa_sons_ideias on Vimeo.

No cinema, o primeiro projeto da Brisa é coordenado por Marcio, que produzirá uma das músicas que compõem a trilha original de “O Sentido da Vida”, próximo documentário do cineasta português Miguel Gonçalves Mendes, do premiado “José e Pilar”. No filme, o diretor faz uma viagem ao redor do mundo para questionar a existência humana por meio das indagações de um jovem brasileiro portador de uma doença hereditária rara e sem cura. A produção é uma parceria da portuguesa JUMPCUT, a brasileira O2, de Fernando Meirelles, e a espanhola El Deseo, de Pedro Almodóvar.